Tribunal de Nova York ordena que Veritaseum pague US$ 8 milhões por ICO ilegal

Reggie Middleton, CEO da empresa de blockchain Veritaseum LLC, registrada em Delaware, que é propriedade da Veritaseum Inc., registrada em Nova York, foi condenado a pagar US$ 8,4 milhões em indenização, de acordo com uma nova ordem judicial. Middleton também recebeu uma multa civil de US$ 1 milhão.

A publicação voltada para fintech FinanceFeeds informou sobre o desdobramento em 1º de novembro, citando uma ordem judicial emitida em 31 de outubro.

Segundo a reportagem, um juiz do Tribunal Distrital de Nova York aprovou uma moção para uma sentença de consentimento em um caso de fraude de valores mobiliários contra vários réus envolvidos com a Veritaseum.

Especificamente, os réus são solidariamente responsáveis ​​pelo desembolso de US$ 7.891.600, o que representa uma parte dos lucros auferidos ilegalmente, bem como o valor dos juros de pré-pagamento de US$ 582.535.

Além disso, a reportagem afirma que os réus não poderão participar de nenhuma oferta de título digital, de acordo com a ordem judicial.

Middleton pede ao tribunal mais tempo para responder à queixa

O caso foi apresentado pela equivalente norte-americana à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (Securities and Exchange Commission - SEC) em meados de agosto de 2019, quando a autoridade entrou com uma queixa contra Middleton e duas de suas empresas.

No documento, a SEC alegou que as entidades eram responsáveis ​​por uma oferta inicial de moedas não registrada de US$ 14,8 milhões do final de 2017 a 2018 e solicitou que um Tribunal Distrital dos EUA congelasse os ativos dos réus.

Em 9 de outubro, a SEC entrou em negociações de acordo com a Veritaseum, remarcando a conferência inicial no Tribunal Distrital Oriental de Nova York para 14 de novembro de 2019.

Desde 9 de outubro, o token Veritaseum (VERI) caiu cerca de 37%, de US$ 24 para US$ 15 por moeda no momento desta publicação, de acordo com a Coin360.