Grupo de trabalho de conformidade da Monero diz que XMR está isento da regra de de viagem de fundos

O Grupo de Trabalho de Conformidade da Monero declarou que a rede Monero (XMR) não está sujeita às diretrizes da FinCEN (Rede de Combate a Crimes Financeiros dos EUA) sobre a Regra de de Fundos Viagem, em uma postagem em seu blog de 5 de dezembro.

O que é essa regra de viagem de fundos?

A regra de viagem de fundos (Funds Travel Rule) exige que as instituições financeiras que enviam e/ou recebem fundos armazenem e transmitam certas informações sobre a transferência, se ela estiver avaliada em mais de US$ 3.000 ou valor equivalente.

Porém, nas diretrizes de maio de 2019, o FinCEN declara que:

"Se um determinado protocolo de transmissão não puder acomodar essas informações, a pessoa obrigada poderá fornecer essas informações em uma mensagem diferente da própria ordem de transmissão".

Isso sugere que não há necessidade de transmitir essas informações na cadeia.

A conformidade é de responsabilidade das exchanges, não das criptomoedas

Qualquer exchange regulamentada compatível com regulamentos de combate à lavagem de dinheiro/Conheça seu Cliente deve ter as informações transacionais necessárias e provavelmente já as está armazenando.

Mas em seu comunicado, Monero conclui que a regra de viagem de fundos não se aplica ao próprio Monero ou a qualquer criptomoeda.

O grupo de trabalho de conformidade da Monero observa:

“Parece inapropriado declarar que qualquer criptomoeda é compatível ou não com a regra de viagem de fundos, já que a regra de viagem de fundos parece se aplicar a entidades reguladas, não aos ativos subjacentes que as entidades negociam.”

No entanto, isso pode ser tarde demais para convencer algumas exchange que já decidiram não se arriscar e retiraram de suas listagens o Monero e outras moedas focadas em privacidade para evitar possíveis inquéritos por parte dos reguladores.