A principal empresa latino-americana de comércio eletrônico proíbe anúncios relacionados a criptomoedas

A maior empresa de e-commerce na América Latina, Mercado Livre, proibiu criptomoedas e publicidade delas em seu site, Cointelegraph Protuguês relatou em 18 de março.

O desenvolvimento foi revelado em entrevista exclusiva ao Cointelegraph Português, após os usuários da empresa reportarem recebimento de e-mails informando sobre a mudança na política do Mercado Livre.

A nova política exige que todos os usuários removam suas listagens referentes à moeda digital; caso contrário, todas as listagens serão retiradas automaticamente da plataforma a partir de 19 de março. Um dos usuários recebeu uma carta dizendo:

"Gostaríamos de informar que, a partir de 19 de março, você não poderá mais anunciar produtos usados ​​nas seguintes categorias:

- Criptomoedas

- cartões pré-pagos para jogos

Como você tem anúncios de produtos usados ​​que serão banidos em breve, recomendamos que você os encerre. Caso contrário, eles serão finalizados na data mencionada acima."

Mercado Livre declaradamente afirmou:

"O Mercado Livre esclarece que, a partir de 19 de março, os anúncios cripto que estão ativos no site na condição 'usados' serão automaticamente finalizados e novos anúncios só poderão ser criados como 'novos produtos'."

O Mercado Livre (ou Mercado Libre em espanhol) ultrapassou o gigante do e-commerce Amazon na América Latina. No início deste mês, a empresa teria fechado um acordo para um enorme investimento de US$ 750 milhões via venda de ações ordinárias à rede de pagamentos PayPal.

Grandes empresas de tecnologia como Google e Facebook já introduziram proibições similares. Em março do ano passado, o Google anunciou a proibição de todos os anúncios relacionados a criptos de todos os tipos a partir de junho de 2018. A medida afetou todos os produtos publicitários do Google, o que significa que as empresas não puderam veicular anúncios relacionados a criptos nos sites da gigante de buscas, bem como sites de terceiros em sua rede.

Em janeiro, o Google supostamente colocou na lista negra palavras-chave mencionando Ethereum (ETH) em sua plataforma de publicidade. O Google informou que as trocas de criptomoedas direcionadas aos Estados Unidos e ao Japão poderiam ser anunciadas na plataforma, e que a segmentação de outros países poderia ser o motivo da rejeição do anúncio.

Em janeiro passado, o Facebook proibiu anúncios que usassem “práticas promocionais enganosas”, que supostamente incluem anúncios de criptomoedas e ofertas iniciais de moedas.