Justiça determina que Tiago Costa Bentes restitua valores de clientes de clientes da InvestCoins

A Justiça do Estado de São Paulo determinou, em decisão publicada em 17 de dezembro, que Tiago Costa Bentes restitua valores de clientes de clientes da InvestCoins, empresa que oferecia pacotes de investimentos baseados em Bitcoin e criptomoedas.

A ação foi aberta por um grupo de clientes que afirmaram aplicar na plataforma, contudo, após o investimento inicial, relataram não terem tido sucesso em reaver os valores. O investimento teria ocorrido em 2018, quando tomaram conhecimento da empresa InvestCoin, que seria comandada por Tiago Costa Bentes.

A empresa prometia rendimento de 60% no prazo de 12 dias, sendo que após esse prazo poderia serem feitos saques dos valores ou reinvestidos nos mesmos moldes, segundo relatam os autores da ação. 

Segundo o processo, os autores sustentam que após uma mudança na plataforma de investimento, Bentes teria comunicado um suposto prejuízo junto a Exchange de Criptomoedas na qual a empresa atuava e em abril de 2.018, passou a atrasar os saques solicitados. Sendo que ainda em Abril, o réu teria tirado a plataforma do ar e deixado de prestar qualquer auxílio aos clientes.

De acordo com um levantamento feito pelo Cointelegraph, nem Bentes, nem a InvestCoins tinham autorização da Comissão de Valores Mobiliários do Brasil, (CVM), para atuar oferecendo investimentos, sejam eles em reais ou em criptomoedas.

1_S-fiLDT1Ma4fK6fRJf4Cnw.png

Em sua defesa, Bentes teria alegado que não haveria qualquer atitude ilícita nas operações suas a da empresa que falência da corretora investCoins foi responsável pelo atraso nos saques e por todas as perdas dos investidores, "Assim, não há que se falar em ressarcimento por se tratar de um investimento de risco", alega.

No entanto, os argumentos de Bentes não foram atendidos pela Justiça que determinou a devolução dos aportes iniciais feitos na plataforma, "Assim, tenho que a parte requerida deve restituir o valor das quantias investidas pelos requerentes", diz a decisão.

Antes de supostamente operar investimentos, sem autorização da CVM, com a InvestCoins, Tiago Costa Bentes, teria participado, em 2014, da Cota Extra, uma empresa que, com diferentes táticas, prometia 100% do investimento em apenas 10 dias. A Cota Extra contudo, teve o mesmo destino da InvestCoin e, em determinado momento, parou de pagar seus investidores.

O mesmo teria ocorrido com a CoinExtra, que também prometia altas taxas de retorno por meio da aquisição de pacotes iniciais de investimento mas também teria deixado de honar suas promessas de retorno financeiro.

Como noticiou o Cointelegraph sobre outra empresa com saques atrasados, um investidor relatou ter vendido a própria casa acreditando nas promessas da GenBit, empresa acusada de pirâmide financeira e que também não vem honrando com os compromissos assumidos junto aos clientes.

Confira mais notícias