Proibição de Bitcoin significa grande fuga de cérebros da Índia, adverte setor de criptomoedas

A Índia está testemunhando os primeiros sinais de uma fuga de cérebros antecipada, enquanto o governo considera uma legislação rígida, que criminalizaria os investimentos domésticos em criptomoedas.

Uma matéria do Economic Times de 16 de setembro tomou a medida do sentimento da indústria no local, enquanto uma proposta proibição geral - atualmente ainda na forma de projeto de lei - aguarda seu processo formal de revisão pelos legisladores.

"A primeira grande democracia" a proibir cripto

Como observa o Economic Times, o projeto de proibição de criptomoedas e regulamento da lei oficial sobre moedas digitais 2019 propôs pena de 10 anos de prisão para quem "minerar, gerar, deter, vender, transferir, descartar, emitir ou negociar criptomoedas."

A severidade da penalidade proposta e a posição extrema refletida no documento - seja ou não, e de que forma ela se tornará lei nacional - já está levando as empresas de cripto locais a tomar medidas preventivas para se protegerem.

Rahul Jain - um funcionário da antiga Bitbns - disse ao Economic Times:

“Como uma startup da Índia, sempre quisemos operar da Índia, mas essa recente complicação dificultou que as exchanges cripto domésticas operassem seus negócios na Índia. Portanto, agora somos uma empresa sediada na Estônia e qualquer lei indiana para criminalizar a cripto não terá impacto sobre nós.”

Nischal Shetty, CEO e fundador da conhecida exchange indiana WazirX, entretanto, argumentou que o projeto de lei está prestes a corroer a riqueza de mais de 5 milhões de indianos que possuem "criptoativos que valem milhares de crores".

O executivo disse que a decisão arbitrária de criminalizar o investimento em criptoativos desestabilizaria as empresas existentes que operam legitimamente e tornaria o país um infeliz pioneiro em seu papel de "a primeira grande democracia a proibir uma tecnologia inovadora como a da cripto".

Deixando escapar uma indústria de 10 trilhões de dólares

Embora as opiniões locais sejam diferentes sobre se a lei evoluirá para uma forma estatutária definitiva, as fontes do Economic Times foram unânimes em opinar que os desdobramentos do verão são uma medida retrógrada para o país. Shetty observou que:

“Como um país amplamente dependente do setor de serviços, a Índia perderá sua vantagem como potência tecnológica se a proibição de cripto se confirmar. Evitar esse setor significará grandes perdas de empregos e uma [...] fuga de cérebros relacionados a cripto, setor que está previsto para ser gerar US$ 10 trilhões nos próximos cinco anos, é parte integrante dessa visão."

Conforme relatado em agosto, Sidharth Sogani - CEO da empresa de pesquisa de cripto e blockchain Crebaco Global Inc - previu que a Índia perderá cerca de US$ 12,9 bilhões em mercado se a criptomoeda for proibida no país.