IBM faz o primeiro registro de casamento homosexual usando blockchain no Brasil

A IBM anunciou, por meio de um comunicado de imprensa compartilhado com o Cointelegraph em 17 de dezembro, que ajudou a realizar o primeiro registro de casamento no Brasil usando a tecnologia blockchain.

A União Estável, que tem o mesmo valor jurídico de um casamento, aconteceu no Rio de Janeiro e foi realizado em parceria entre a IBM e à rede Notary Ledgers da startup Growth Tech.

No entanto, apesar do registro em blockchain também foi realizado um registro 'físico' da união, seguindo as normas brasileiras.

O fato inédito, foi registrado pelo 15º Ofício de Notas do Rio de Janeiro, teve como protagonistas o defensor público Diego Vale e o médico tenente da Força Aérea Brasileira, Guilherme Mesquita.

O casal, que está junto desde 2016, decidiu oficializar a união para possibilitar a transferência de Guilherme do Rio de Janeiro para São Paulo, cidade onde Diego vive, segundo o comunicado.

O processo envolveu a criação de uma identidade digital do casal na rede, após a escolha do serviço, e um breve questionário para a geração automática de ação sindical estável. O certificado foi validado por dois notários e assinado digitalmente.

“Foi tudo prático e rápido, só precisamos fornecer dados e levar o documento de identificação no dia. A vantagem maior é que o certificado digital é um mecanismo que aumenta a confiança do processo, e que também é possível a verificação de autenticidade online”, ressaltou Guilherme.

Para Guilherme, fazer parte de um marco importante para a tecnologia, ao lado do marido, é uma honra.

“É definitivamente um grande passo para otimizar os processos burocráticos da nossa sociedade. Provavelmente, no futuro, poderemos fazer tudo em casa, independentemente do horário de funcionamento ou da estrutura física dos cartórios”, observa.

De acordo com Hugo Pierre, CEO e fundador da Growth Tech, com a união entre Diego e Guilherme, mais uma vez foi demonstrado à sociedade que os serviços de portfólio digital são viáveis, altamente seguros e confiáveis.

“Precisamos urgentemente somar esforços para que esse modus operandi seja adotado em todo o Brasil”, acredita o executivo.

Para Carlos Henrique Duarte, Líder de Serviços de Consultoria para Blockchain na IBM América Latina, “esse registro é mais um indício de que o Blockchain vem ganhando bastante relevância no Brasil, atingindo diferentes segmentos, além de transformar significativamente a maneira como as empresas e os cidadãos se relacionam”.

Como noticiou o Cointelegraph, recentemente, por meio da mesma parceria as empresas registraram o nascimento de uma criança. A iniciativa, embora tenha sido divulgada como inédita, não foi. Antes dela, já haviam sido registradas pelo menos 4 crianças no Brasil por meio da tecnologia blockchain.

Confira mais notícias