A criptomoeda é uma "má forma de dinheiro" para os terroristas, conclui audiência do Congresso

O Subcomitê do Congresso dos EUA sobre Terrorismo e Finança Ilícita discutiu vários métodos de financiamento do terrorismo com criptomoeda, de acordo com um comunicado de imprensa oficial do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos em 7 de setembro.

A fim de monitorar ameaças e métodos de financiamento do terrorismo, a audiência considerou os principais meios de transferência de fundos por terroristas, incluindo instituições financeiras tradicionais e métodos semi-formais, como o sistema de troca de hawala, bem como criptomoedas.

No entanto, enquanto a Al-Qaeda, o Estado Islâmico e outros grupos terroristas tentaram levantar fundos através da criptomoeda, eles não tiveram grande sucesso, como o Congresso concluiu na reunião.

Yaya Fanusie, diretor de análise do Centro de Sanções e Financiamento Ilícito da Fundação para a Defesa das Democracias (FDD), enfatizou que a maioria dos terroristas, especialmente aqueles que atuam em "campos de batalha jihadistas", vivem em ambientes onde a criptomoeda não é operável. significa que o uso fiat é preferível para a compra de mercadorias.

Fanusie apontou o dinheiro fiduciário como o método mais anônimo de financiamento, alegando que é muito popular entre os terroristas.

Embora Fanusie afirme que a criptomoeda é uma “forma de dinheiro pobre para os jihadistas” e “dinheiro vivo ainda é rei”, segundo um artigo da Forbes, ele ainda reconhece que “há vários exemplos de campanhas de financiamento de criptomoedas terroristas”.

O especialista afirmou ainda que, a fim de combater o potencial uso bem sucedido de campanhas de angariação de fundos de cripto por terroristas, os órgãos do governo dos EUA que são responsáveis ​​pela investigação de financiamento do terrorismo devem se tornar mais qualificados na análise de transações de criptomoeda. Fanusie observou:

"Ao preparar-se agora para o crescente uso de criptomoedas pelos terroristas, os EUA podem limitar a capacidade de transformar os mercados de moeda digital em um santuário para as finanças ilícitas".

Nesse ponto, a Fanusie pareceu recomendar que as autoridades se concentrassem em pequenas bolsas de criptos que comercializassem tokens alternativos ou “moedas de privacidade” em vez de grandes bolsas que aumentaram significativamente sua lavagem de dinheiro (AML) e o conhecimento de seu cliente (KYC). ) políticas nos últimos anos.

No início deste ano, a gigante de gerenciamento de risco LexisNexis firmou parceria com a Blockbid, a fim de introduzir soluções de segurança para as bolsas de valores apelidadas de “Trade with Confidence”, que pretende impedir o financiamento do terrorismo, entre outras atividades ilícitas.

Em janeiro de 2018, o deputado Ted Budd (R-NC) do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara apresentou um projeto de lei que visa combater o terrorismo oferecendo recompensas por informações que levem a condenações por terrorismo apoiado por criptomoedas.