Grupo marca manifestação na sede do Bitcoin Banco; empresa dispensa funcionários de expediente

A sede do Grupo Bitcoin Banco (GBB), em Curitiba (PR), é alvo nesta segunda-feira de mais uma manifestação marcada por clientes insatisfeitos com a atuação do grupo, que está na mira das autoridades do Brasil sob suspeita de fraude contra investidores.

O Cointelegraph Brasil monitora a movimentação na sede do GBB em Curitiba, mas até o momento a manifestação tem baixa adesão. A sede está fechada e os funcionários foram dispensados, supostamente para trabalhar "em outros escritórios pertencentes ao grupo", informou a empresa em nota, que completa informando que "as agências do Bitcoin Banco não estarão abertas".

É a segunda manifestação marcada por ex-investidores da empresa na sede do GBB em Curitiba. Na primeira, em 13 de agosto, igualmente com baixa adesão, o GBB chegou a oferecer atendimento individualizado aos manifestantes.

O Grupo Bitcoin Banco teve problemas com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) do Brasil e também é alvo de diversas ações na Justiça de investidores que não conseguem ter acesso a seus fundos junto à empresa. Na semana passada, a Justiça autorizou mais uma ação de busca e apreensão de R$ 63 milhões da empresa e de seus proprietários.

Na nota em que comunica a dispensa de seus funcionários nesta segunda-feira, o Bitcoin Banco ainda diz que "na tarde de hoje, todos os clientes que estão com documentos validados e contas ativas na NegocieCoins PRO receberão em seus e-mails instruções para abertura de contas em bancos parceiros". Supostamente, a iniciativa, que não é obrigatória, teria objetivo de viabilizar o início de pagamentos aos investidores.

Também na semana passada, como publicou o Cointelegraph, o GBB, a Negocie Coins e empresas acusadas de pirâmide financeira, entraram na mira da CVM para apurar denúncias contra as mesmas.