Supremo Tribunal da Grécia decide extraditar o suposto dono da BTC-e Alexander Vinnik para a Rússia

O Supremo Tribunal Civil e Criminal da Grécia determinou a extradição do suposto proprietário da BTC-e, Alexander Vinnik, para a Rússia para enfrentar várias acusações de fraude cibernética, informou a agência de notícias estatal russa RIA Novosti na terça-feira, em 4 de setembro.

A decisão formal sobre a extradição para a Rússia será emitida em 14 de setembro, entrando em vigor no mesmo dia.

Durante a audiência, o Supremo Tribunal também considerará a solicitação da França sobre a extradição do proprietário da BTC-e.

Segundo a RIA, Vinnik concordou com sua extradição para a Rússia. "[Este caso] agora depende dos políticos e sua vontade", afirmou seu advogado, Timofey Musatov.

Os EUA, a França e a Rússia estão atualmente discutindo sobre o local da extradição de Vinnik. Vários tribunais gregos decidiram anteriormente a favor dos três países, com a decisão final a ser tomada pelo ministro grego da justiça.

Vinnik foi preso pela polícia grega em julho de 2017, quando o Departamento de Justiça dos EUA o condenou por fraude e lavagem de dinheiro em torno de US $ 4 bilhões em Bitcoin (BTC).

A França mais tarde acusou Vinnik de “enganar mais de 100 pessoas em seis cidades francesas entre 2016 e 2018”.

Na mesma época, o governo russo também interveio no caso, pedindo a extradição do cidadão russo para seu país de origem. A quantidade de fraudes em que Vinnik é acusado na Rússia é igual a 667 mil rublos (cerca de US $ 9.800), informou a RIA no ano passado.

Dias antes da audiência final no Supremo Tribunal, o advogado de Vinnik, Makarov, acusou os promotores franceses de tentar questionar Vinnik sem a permissão dos funcionários gregos, informou a Cointelegraph na semana passada.