Ministro da economia alemão reforça seu discurso para impedir emissão do Libra

O ministro das finanças alemão, Olaf Scholz, reforçou sua declaração anterior de que os legisladores deveriam impedir a emissão do Libra, stablecoin do Facebook.

Na reunião de outono do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial no dia 18 de outubro, Scholz enfatizou que as stablecoins podem representar riscos internacionais, informou a Reuters em 18 de outubro. Scholz expressou seu total ceticismo em relação aos planos do gigante da mídia social, afirmando:

“Vamos monitorar cuidadosamente a situação, utilizando todos os meios à nossa disposição. Não sou a favor da criação de uma moeda mundial, porque essa é a responsabilidade dos estados democráticos.”

Scholz afirma que o sistema financeiro precisa de reforma

Scholz disse que o sistema financeiro existente precisa de reformas para melhorar e agilizar os pagamentos transfronteiriços, mas sem ameaçar a autonomia dos estados.

Scholz reiterou sua declaração de meados de setembro, quando disse aos legisladoress para não aceitar moedas paralelas como o Libra. Em um documento que a Reuters teve acesso na época, o ministro afirma, "o governo federal trabalhará em nível europeu e internacional, para garantir que as stablecoins não se tornem uma alternativa às moedas oficiais."

Cresce o número de reguladores contra o Libra

Em sua última reunião, uma força-tarefa do G-7 confirmou que o grupo das sete nações mais ricas do mundo não permitiria o lançamento de nenhuma stablecoin global sem abordar adequadamente os desafios e riscos relacionados. Uma vez que as stablecoins sejam lançadas globalmente, segundo um relatório do G7, elas podem ameaçar a estabilidade financeira global e o sistema monetário.

O presidente da força-tarefa de ação financeira, Xiangmin Liu, disse que as stablecoins e as empresas por trás delas estarão sujeitas aos padrões globais de criptomoedas e ativos financeiros tradicionais, juntando-se ao crescente número de reguladores que expressam preocupações com o Libra do Facebook.

O ministro da economia e finanças da França, Bruno Le Maire também repetiu suas críticas ao Libra, dizendo que não pode permitir sua existência.