França: Ministro das finanças adverte que 'não é possível aceitar' o Libra do Facebook

O ministro da economia e finanças da França repetiu suas críticas à moeda digital do Facebook, o Libra, dizendo que ele não pode permitir sua existência.

Le Maire: França tem 'posição clara' sobre o Libra

Em um artigo de opinião no Financial Times em 17 de outubro, Bruno Le Maire afirmou que o Libra tomaria o poder sobre a moeda dos governos nacionais.

Seus comentários seguem críticas semelhantes ao do ministro das finanças da Alemanha, Olaf Scholz, no início deste mês. Le Maire escreveu:

"Não posso admitir que uma das ferramentas mais poderosas de um Estado soberano, a política monetária, esteja sob a responsabilidade de entidades não sujeitas ao controle democrático".

A França adotou uma postura rígida em relação ao Libra, que continua a sofrer pressão dos governos de todo o mundo.

Anteriormente, Le Maire anunciou a França como um país que não poderia permitir seu desenvolvimento, devido a riscos percebidos em relação às estruturas financeiras da União Europeia, entre outros problemas.

Sua última opinião pública promove esses argumentos. O Facebook, segundo a lógica, não pode ganhar a mesma confiança que o sistema financeiro tradicional de governos e bancos centrais.

Le Maire concluiu:

“A posição da França é clara: queremos que a inovação financeira respeite a soberania dos estados. Nem a soberania política, nem a monetária, podem ser compartilhadas com interesses privados. ”

Ironia previsível para 'Bitcoiners'

Como o Cointelegraph observou recentemente, os defensores do Bitcoin (BTC) riram das objeções sobre o Libra demonstrada pelos políticos.

Para Saifedean Ammous, em seu famoso livro, The Bitcoin Standard, são de fato os governos e os bancos centrais responsáveis pela manipulação e desestabilização das moedas que agora consideram ameaçadas.

A separação do padrão ouro a partir de 1914, seguindo a economia keynesiana e permitindo que os bancos centrais intervenham no desempenho da moeda, praticamente garantiu a instabilidade da moeda fiduciária, afirma Ammous.

O Bitcoin, por outro lado, remove completamente esse controle das autoridades centralizadas.