Ministro das Finanças alemão se opõe ao Libra do Facebook e se diz 'muito, muito cético' à cripto

O ministro das Finanças da Alemanha, Olaf Scholz, consegue ver usos para uma versão eletrônica do euro, mas acredita que o Facebook deve ficar longe da emissão de dinheiro.

Scholz: Alemanha quer E-euros, não Libra

Falando à agência de notícias financeira local WirtschaftsWoche em 3 de outubro, Scholz revelou que gostaria de ver o chamado E-euro, acrescentando:

"Um sistema de pagamentos como esse seria bom para a Europa como centro financeiro e sua integração no sistema financeiro mundial".

Por outro lado, Scholz afirmou que é "muito, muito cético" em relação à moeda digital do Facebook, o Libra, seguindo a recepção hostil que a cripto já havia recebido na França. Ele continuou:

“Um elemento central da soberania nacional é a emissão de moeda; não deixaríamos isso para empresas privadas.”

Seguem as boas-vindas frias ao Libra

Os comentários de Scholz vieram ao mesmo tempo em que o CEO da Apple, Tim Cook, revelou seu desagrado pelo Libra, alegando igualmente que governos e bancos centrais deveriam ser responsáveis ​​pelo dinheiro.

"Não me sinto confortável com a ideia de que uma entidade privada possa criar uma moeda moderna", disse ele em entrevista à publicação francesa Les Echos. Ele acrescentou que a Apple não tentaria replicar o experimento monetário do Facebook.

Como o Cointelegraph relatou, o mais recente roteiro do Libra sugere que seus desenvolvedores ainda têm plena fé no projeto e pretendem continuar o progresso em direção ao lançamento de uma mainnet.

Durante vários meses, estimou-se um prazo aproximado de lançamento da cripto para o segundo trimestre de 2020, mas o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, disse que a empresa não um tinha prazo definido para o lançamento.

Em 4 de outubro, a rede de pagamentos PayPal deixou oficialmente a Libra Association.