FBI destaca principais características de golpes de ICOs e apela a investidores que fiquem atentos

O Federal Bureau of Investigation (FBI) dos Estados Unidos delineou o que acredita ser os tópicos mais consistentes para o funcionamento de esquemas fraudulentos de oferta inicial de moedas (ICO). A perspectiva da FBI foi compartilhada em uma entrevista ao site de notícias financeiras sediado na Holanda Paypers, em 19 de fevereiro.

De acordo com o FBI, as principais estratégias dos golpes de ofertas incluem deturpações da experiência profissional de seus diretores, uma falsa impressão projetada de quanto impulso a ICO acumulou na indústria e promessas irreais de retornos potenciais de tokens:

"Como qualquer produto de investimento, as taxas de retorno nunca podem ser garantidas e, se parecer bom demais para ser verdade, provavelmente é."

O FBI alertou os investidores para realizarem a devida pesquisa de qualquer esquema e os indivíduos por trás dele e a estarem atentos a entidades que parecem ser exclusivamente baseadas na Internet, onde um endereço físico ou contato é difícil ou impossível de encontrar.

O FBI também sugeriu que os investidores devem estar cientes de qual jurisdição a oferta está registrada - se for o caso - e a quais leis e regulamentos ela está sujeita.

O público pode se valer do sistema BrokerCheck da Financial Industry Regulatory Authority para verificar as identidades e o status de registro de entidades, aconselhou o FBI. Dado que mesmo as criptomoedas e produtos bem conhecidos podem acarretar maiores riscos de volatilidade devido à estatura da nascente indústria, o FBI aconselhou os possíveis investidores a investirem apenas o que podem perder.

Com relação aos operadores de empresas legítimas de plataformas como exchanges de moeda virtual ou caixas eletrônicos de criptomoeda, o FBI observou que tanto a Rede de Execução de Crimes Financeiros quanto vários Tribunais do Distrito Federal consideraram tais entidades sujeitas a exigências de registro. A falta de registro é portanto, supostamente considerada uma violação das leis federais de transmissão de dinheiro.

Olhando para o futuro, o FBI ecoou a posição da Comissão de Valores Mobiliários (SEC) dos EUA de que uma vasta gama de ofertas de tokens deveria ser classificada como títulos e que, dada a crescente proliferação de tais ativos - com muitos membros da indústria antecipando um tendência de oferta de tokens de títulos - os investidores devem ter cuidado com os riscos elevados de fraude.

Como relatado anteriormente, o FBI foi o resposnável pelo maior número de solicitações de informações policiais enviadas à exchanges de criptomoedas ShapeShift, que tem sede na Suíça, de Erik Voorhees, no ano passado.

Em junho de 2018, o FBI revelou que tinha 130 casos relacionados a cripto, com as venda de drogas na darkweb sendo uma preocupação especial. Porém, caracterizou o setor como responsável por apenas "uma pequena fatia" das atividades do FBI em geral.

No ano passado, a SEC tentou educar os investidores criando um site de ICO de brincadeira que atraía os visitantes com uma oportunidade de investimento “boa demais para ser verdade.” O local tinha todas as bandeiras vermelhas que a agência afirmava ter identificado na maioria das ICOs fraudulentas e redirecionava todos aqueles que tentavam comprar os tokens ersatz para uma página de orientação educacional no site da SEC.