O FBI tem 130 casos de criptmoeda em andamento, uma

Kyle Armstrong, agente do FBI, disse que a Repartição tem 130 casos relacionados a cripto, e que a venda de drogas na web é uma preocupação especial, a Bloomberg relatou na quarta-feira, 27 de junho.

Falando na conferência Crypto Evolved em Nova York na quarta-feira, o agente especial de supervisão disse que o número representava “uma pequena fatia” das atividades do FBI, que são “milhares de casos”. A agência notou, no entanto, um aumento na atividade ilegal facilitada pelos pagamentos com criptomoeda, disse ele.

Os 130 arquivos com "ameaças marcadas" relacionados à criptomoeda abrangem uma gama de crimes, incluindo tráfico humano, sequestro, ataques de ransomware e venda de drogas ilícitas.

Este último tornou-se um foco para a Repartição, de acordo com Armstrong, destacando a epidemia de opiáceos nos EUA. Ele considerou a dark web como um fator para permitir o abuso de drogas, dizendo que 10% dos usuários globais de drogas fazem suas compras em mercados ilegais online.

A cifra de 10% de Armstrong não é notavelmente superior à estatística divulgada por uma Pesquisa Global de Drogas de 2017, que encontrou a mediana global para a porcentagem de usuários de drogas que usam a darknet de 10.1 %. 90%, então, continuam a comprar substâncias ilícitas através de métodos mais "tradicionais".

Armstrong, que administra a Iniciativa de Moeda Virtual para o FBI no que diz respeito a atividades de lavagem de dinheiro, disse que embora a tecnologia blockchain subjacente torne mais fácil para investigadores rastrear criptomoedas do que dinheiro, o anonimato relativo das transações pode se provar obstáculo.

Em fevereiro, um estudo de dois anos sobre o ecossistema da dar web alegou que o Bitcoin pode de fato estar perdendo seu prestígio como a moeda mais popular em mercados negros, aparentemente devido ao aborrecimento dos consumidores com tráfego de rede e altas taxas de transação.