Arrependidos: Empiricus e Bettina pedem desculpas por omissão de informações sobre 'sucesso' da garota-propaganda
Inscreva-se

A Empiricus, plataforma de cursos de investimento no mercado financeiro que também oferece opções em Bitcoin e criptomoedas, usou novamente sua famosa garota propaganda, Bettina Rudolph para divulgar a empresa, no entanto, agora Rudolph pede desculpas por ter omitido informações do público sobre como conseguiu sair de R$ 1 mil para R$ 1 milhão por meio de investimentos.

O vídeo, divulgado hoje, 2 de setembro, também anuncia uma estrutura de compliance que vai verificar se seus relatórios seguem as normas dos reguladores.

Por conta da propaganda anterior usando Bettina, a Empiricus foi multada em R$9.737.625,67 pelo Procon e proibição pelo Conar, além disso o vídeo rendeu diversos comentários negativos e memes na internet.

Apesar da desculpas Bettina  ainda declara que quem tivesse seguido seus conselhos no vídeo anterior, alvo da multa, poderia ainda ter ganho com a alta da bolsa, pois ela, no vídeo oferecia um curso grátis sobre investimentos.

Diferente do vídeo anterior, agora a nova propaganda vem seguida de uma mensagem de que ganhos passados não são garantia de retornos futuros, uma das exigências básicas na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Como noticiou o Cointelegraph, um dos fundadores da empresa brasileira de investimentos e análise financeira Empiricus Research, Marcos Eduardo Elias, foi condenado pela Justiça Federal dos Estados Unidos a três anos e meio de prisão em regime fechado por ter conduzido um esquema de fraude financeira no país.

Elias confessou o crime de conspiração contra instituições financeiras em fevereiro, conseguindo negociar com a Justiça que sua pena fosse mais branda. Além da pena em regime fechado, ele ainda deve cumprir mais três anos em liberdade condicional.

Segundo a denúncia, o fundador da Empiricus - que também oferece consultoria em gestão de investimentos em criptomoedas - teria se apropriado ilegalmente de mais de US$ 750.000 pertencentes a instituições financeiras dos EUA.