Diretores do suposto esquema de pirâmide Dunamiscoins são julgados em Uganda

Dois diretores da Dunamiscoins, um suposto esquema de pirâmide de criptomoedas em Uganda, compareceram perante o tribunal na segunda-feira, 6 de janeiro, para enfrentar 65 acusações ligadas ao esquema.

O site de notícias local The Observer relatou em 8 de janeiro que os promotores estaduais haviam registrado mais de 4.000 queixas contra a Dunamiscoins Resources Ltd., uma suspeita de fraude que seguiu seu curso entre fevereiro de 2018 e dezembro de 2019, antes de entrar em colapso. As investigações ainda estão em andamento.

O esquema fraudou dezenas de vítimas em até US$ 37.600, prometendo-lhes retornos extraordinários em seus investimentos.

Relatórios anteriores, datados da época do colapso do esquema, haviam afirmado que cerca de 10.000 pessoas foram enganadas, resultando em US$ 2,7 milhões em fundos ilícitos.

Suspeitos se declaram inocentes

De acordo com o Observer, Samson Lwanga, 37, e Mary Nabunya, 53, ambos diretores da agora extinta Dunamiscoins Resources Ltd., se declararam inocentes das acusações.

O queixoso Haruna Asiimwe, disse a repórteres que havia sido enganado por investir dinheiro com a promessa de juros de 30% em 21 dias. Asiimwe, como outros, ficou sem dinheiro quando a empresa fechou abruptamente no início de dezembro do ano passado.

Um comunicado divulgado em 2019 pela Polícia de Uganda revelou que os diretores da Dunamiscoins alegaram que estavam dispostos a reembolsar investidores, mas não conseguiram, pois suas contas primárias em bancos locais foram congeladas pela Autoridade de Inteligência Financeira.

Estando sob custódia da polícia desde a prisão em 10 de dezembro, os dois diretores estão presos na prisão de Luzira até 22 de janeiro. 

Funcionários e investidores em apuros

O Cointelegraph informou sobre o fechamento abrupto do escritório da Dunamiscoins em Masaka, em dezembro de 2019, apenas um mês após sua abertura. Entrevistados e testemunhas locais alegaram que a empresa não apenas fraudou os investidores, como também roubou dinheiro de seus funcionários.

Após sua prisão, Lwanga havia revelado que a maioria dos investidores havia depositado quantias que variavam entre US$ 270 e US$ 2.710.

Na primavera de 2019, o vice-presidente do Banco de Uganda, Dr. Louis Kaskende, alertou o público sobre as proteções limitadas oferecidas a eles quando investem em criptomoedas não regulamentadas.