Tribunal do Chipre retira processo de lavagem de dinheiro e fraude contra suposta operadora da BTC-e

O advogado de Alexander Vinnik, suposto ex-operador da extinta casa de câmbio de criptomoedas BTC-e, disse que um tribunal distrital do Chipre retirou seu processo por “acusações de fraude, lavagem de dinheiro e outros crimes”. Esse desdobramento foi relatado pela agência de notícias russa RIA Novosti em 27 de novembro.

Timofey Musatov, chefe do grupo de advogados que representa Vinnik, disse que o tribunal distrital da cidade de Limassol concedeu formalmente a petição dos queixosos para relembrar seu processo contra Vinnik e até decidiu “indemnizar o arguido por todos os custos legais por ele incorridos”. Musatov acrescentou:

“O caso contra Alexander entrou em colapso em um estágio inicial e, mais importante, por iniciativa dos próprios demandantes, o que indica claramente a fraqueza do componente acusatório contra Alexander, a vulnerabilidade da posição legal dos demandantes e sua relutância em trazer o caso. para abrir processos judiciais.”

Entretanto, esta retirada não significa que o caso contra Vinnik tenha sido encerrado. A Grécia está considerando um apelo ao pedido da França para a extradição de Vinnik, um cidadão russo. A próxima sessão judicial está agendada para 29 de novembro, informa a RIA Novosti.

Em 2017, a Suprema Corte da Grécia decidiu extraditar Vinnik para os EUA, onde ele enfrenta acusações de lavagem de dinheiro e fraude. Em julho, o tribunal grego já havia decidido extraditar Vinnik para a França sob acusações de fraude e lavagem de dinheiro, supostamente envolvendo até US $ 4 bilhões em Bitcoin (BTC), como reportou a Cointelegraph reportou em 14 de julho.

Neste outono, a Rússia também solicitou a extradição de Vinnik para enfrentar várias acusações de fraude cibernética. O Supremo Tribunal Civil e Criminal da Grécia decidiu em favor da Rússia, deixando a questão da localização final de extradição de Vinnik incerta, escreveu a Cointelegraph em 04 de setembro.

No início desta semana, Musatov disse que seu cliente entraria em greve de fome a partir de 26 de novembro para protestar contra o suposto "despojo" de seus direitos de defesa na França e na Grécia.