Facção criminosa utilizava Bitcoin para lavagem de dinheiro, afirma PM de São Paulo

A Força Tática da Polícia Militar de São Paulo localizou uma “casa bomba” utilizada pela facção criminosa PCC para mineração de Bitcoin (BTC). A descoberta foi exibida pelo programa Operação de Risco da Rede TV no último domingo, 3 de março.

De acordo com a reportagem, a PM chegou ao local por meio de uma denúncia anônima. Os equipamentos encontrados (Whatsminers M3) e obras para a instalação de ar condicionado em cômodos da casa indicam que o local não estava em operação.

Segundo a PM, a mineração de Bitcoins era usada pela facção para lavagem de dinheiro do crime organizado.

Em entrevista nos estúdios da Rede TV, os oficiais que participaram da operação afirmaram que nunca haviam se deparado com equipamentos semelhantes em apreensões do PCC e que a facção tem sofisticado suas operações ilícitas.   

Conforme publicado pelo Cointelegraph, o Financial Action Task Force (FATF) - iniciativa intergovernamental com mais de 35 países, entre eles o Brasil - recomendou aos seus membros que apliquem às exchanges de criptomoedas os mesmos mecanismos de regulação utilizados junto aos bancos comerciais. O objetivo é evitar o uso das criptomoedas em transações ilegais.

No Japão, mais de 7 mil casos suspeitos de lavagem de dinheiro com criptomoedas foram relatados à polícia em 2018, número dez vezes maior em relação aos casos apurados no ano anterior. Desde 2017, o país exige que todas as cripto exchanges tenham registro na Agência de Serviços Financeiros (ASF)  japonesa.