Coinbase: Ex-fornecedor vendeu dados de usuários para terceiros, levando a aquisição da Neutrino

Christine Sandler, diretora de vendas institucionais da Coinbase, defendeu a controversa aquisição da empresa de inteligência blockchain Neutrino. Em entrevista ao canal de notícias financeiras Cheddar em 1º de março, Sandler disse que os fornecedores anteriores de dados de clientes estavam vendendo dados de usuários da Coinbase para fontes externas.

Conforme relatado, a Coinbase, principal exchange cripto dos EUA, anunciou a aquisição da Neutrino em 19 de fevereiro, dizendo que usaria as avançadas ferramentas de análise de blockchain, combate à lavagem de dinheiro e Conheça seu Cliente.

O logo movimento tornou-se controverso à medida que detalhes sobre os fundamentos dos cofundadores da Neutrino vieram à tona: especificamente seu envolvimento anterior com a empresa de software comercial Hacking Team, cujo spyware foi supostamente usado por um amplo dossiê de governos internacionais e agências de aplicação da lei de regimes autoritários supostamente entre eles.

Em resposta ao furor da comunidade de cripto sobre essas conexões - que deu luz à hashtag #DeleteCoinbase - Sandler defendeu a decisão da exchange, dizendo ao Cheddar que era importante deixar seus fornecedores atuais devido às práticas de venda de dados:

"Estamos cientes dos antecedentes de algumas das pessoas que estavam envolvidas na Neutrino [...] Era importante para nós deixarmos nossos provedores atuais. Eles estavam vendendo dados de clientes para fontes externas e foi interessante para nós termos controle sobre isso e ter uma tecnologia proprietária que pudéssemos alavancar para manter os dados protegidos e proteger nossos clientes".

Caracterizando a tecnologia da Neutrino como “realmente líder do setor e a melhor da categoria”, Sandler disse que a aquisição representou uma decisão de trazer essas ferramentas para a equipe - minimizando a importância do talento e dos históricos dos funcionários sêniores.

Sandler também mencionou a decisão da Coinbase Pro de listar o XRP, cujo status ambíguo nos EUA como um possível token de título complicava até então sua listagem na exchange com sede na Califórnia. Sandler esclareceu ao Cheddar que a aquisição da corretora Keystone pela Coinbase em junho de 2018 permite que a plataforma liste títulos, acrescentando:

“Houve uma onda de interesse em adicionar o ativo à plataforma. Houve alguma especulação sobre se o ativo seria classificado como título ou não - não somos advogados de valores mobiliários. Sentimos que havia argumentos convincentes em ambos os lados".

Como relatado recentemente, o chefe de mercado da Ripple foi às redes sociaos para enfatizar que a decisão da Coinbase de listar a XRP era independente - contrariando boatos de que a Ripple pagou ou ofereceu à exchange um incentivo para fazê-lo.