Clientes ameaçam de morte o presidente da Cryptonexx, suposta pirâmide que prometia 160% de retorno

Clientes da Cryptonexx, acusada de ser uma pirâmide financeira, estariam fazendo ameaças de morte ao suposto presidente da empresa Iago Iarlisson que teria, segundo relatos, sumido com o dinheiro aplicado pelos investidores na empresa, conforme relatos compartilhados nas redes sociais.

A Cryptonexx, sediada em Juazeiro do Norte, prometia rendimentos de 4% ao dia é até 160% por meio de supostas operações de arbitragem com criptomoedas. Contudo, segundo levantamento feito pelo Cointelegraph, a empresa não possui autorização ou dispensa da CVM para atuar oferecendo investimentos, sejam eles pagos e captados em criptomoedas ou em reais.

"Nossas centenas de transações executadas diariamente em arbitragens permitem que a plataforma gere rendimentos bem acima do mercado convencional. Lucre mais investindo na Cryptonexx, com rentabilidade diária e altos retornos sobre seu capital investido" diz o site da empresa.

Em seu suposto curto tempo de vida, a empresa teria sido lançada em 18 de novembro, a Cryptonexx, com menos de 10 dias, teria conseguido uma série de clientes, todos em Juazeiro do Norte em segundo relatos, não confirmados, teria conseguido arrecadar mais de R$ 200 mil.

A empresa buscava novos clientes por meio de estratégias de Marketing Multinível prometendo, além das rentabilidades fixas, bonificações e prêmios por indicações.

Além das ameaças, investidores teriam ido até a sede da empresa em busca de reaver seus valores e teriam acionado a Polícia Civil sobre as atividades da companhia. Porém, segundo vídeos compartilhados nas redes sociais, não teria ficado mais nada na sede, insinuando que os operadores da suposta fraude já teriam esvaziado o escritório prevendo represálias.
 

 

Como noticiou o Cointelegraph, assim como a Cryptonexx outros supostos golpes usando Bitcoin e criptomoedas tem feito vítimas em todo o Brasil. Porém uma das vítimas desta vez foi um portal de notícias que foi 'atacado' por hackers contratados por uma destas empresas que teria ficado insatisfeita com uma reportagem que denunciava o esquema.

Confira mais notícias