Carros de Luxo, 1550 Bitcoin, R$ 200 milhões em contas bancárias, confira tudo que foi apreendido com a Unick Forex

Enquanto clientes da Unick Forex amargam prejuízos e não sabem que ação tomar para reaver os valores investidos com a empresa, a Polícia Federal divulgou um balanço parcial de todos os bens apreendidos da empresa, conforme revelou a PF em 25 de outubro.

A Unick Forex, que captava clientes afirmando realizar investimentos no mercado Forex, por meio de aplicações em bitcoin, é acusada de ser uma pirâmide financeira e teve suas atividades suspensas pela Comissão de Valores Mobiliários do Brasil (CVM) por pelo menos, duas vezes (um Processo Sancionador ainda corre na autarquia).

Segundo revelações feitas pela PF, sobre os bens da empresa apreendidos na Operação Lamanai que contou com cerca de 200 agentes federais, foram encontrados R$ 200 milhões em contas bancárias ligadas a empresa e aos investigados. No total foram apreendidos, até o momento:

44 carros de luxo, totalizando mais de R$ 5 milhões em valores da tabela da Fipe
Duas BMW X6, avaliadas em R$ 390 mil.
Um Porsche Panamera, de R$ 400 mil
Uma Range Rover Velar, avaliada em mais de R$ 400 mil
1550 Bitcoins
Bloqueio judicial de 9 imóveis (valor não divulgado)
R$ 200 milhões em diversas contas bancárias
R$ 747 mil reais em dinheiro
R$ 85 mil reais em moedas estrangeiras
Diversas jóias, que estão passando por perícias para identificar autenticidade

No entanto os valores ainda podem ser maiores na medida em que as investigações avançam e bens da empresa em outros países, como em Belize, paraíso fiscal na América Central, podem ser apreendidos.

Para garantir o andamento das investigações a Justiça recentemente determinou a prorrogação da prisão preventiva do presidente da Unick Forex, Leidimar Lopes e dos demais investigados dentro da operação.  Em nota, o escritório Nelson Wilians e Advogados Associados, que representa a Unick afirma que "ainda não teve acesso a esses detalhes do processo, preferindo não se manifestar nesse momento".

Como noticiou o Cointelegraph, supostos clientes e "top líderes" da empresa criaram um abaixo-assinado virtual pedindo a "absolvição" da empresa. Registrado no site Change, a petição já reúne 5.350 assinaturas.