Agência Estatal de Planejamento Macroeconômico da China pondera proibição de mineração de cripto

A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China (NDRC), uma agência de planejamento estadual encarregada de liderar políticas macroeconômicas, revelou que está considerando a eliminação da mineração de cripto no país. A notícia foi divulgada pela Reuters em 9 de abril.

A NDRC supostamente inclui agora a mineração de cripto como parte de seu esboço de uma lista revisada de atividades industriais que a agência pretende restringir. A lista - que supostamente opera em mais de 450 pontos - identifica as atividades que o estado considera estarem violando as leis e regulamentações relevantes, representam um risco para a segurança ou não são ecológicas.

Faz parte do catálogo mais amplo da NDRC para a Reestruturação da Indústria Orientadora, que foi publicado em 2005 e determina quais indústrias devem ser fomentadas, restritas ou eliminadas no país.

Com a lista de rascunhos declaradamente aberta a comentários públicos desde ontem, 8 de abril, a NDRC não definiu uma data-alvo proposta para erradicar atividades de mineração de cripto, estipulando que a indústria deveria ser eliminada com efeito imediato.

A Reuters cita o jornal estatal Securities Times como reportando hoje que a lista preliminar da NDRC “reflete claramente a atitude da política industrial do país” em relação ao setor de criptomoedas. O público agora tem até 7 de maio para comentar o projeto.

Desde a histórica proibição do Banco Popular da China (PBoC) sobre as ofertas iniciais de moedas (ICOs) em setembro de 2017, o estado chinês fez uma série de movimentos vacilantes para tentar reduzir o tamanho dos titãs da cripto do país.

Devido à abundância de hardware e energia barata do país, relatórios de anos anteriores indicaram que mais de dois terços dos reservatórios globais de mineração estavam localizados na China. Em janeiro de 2018, um memorando vazado do banco central para um grupo de finanças do governo de alto nível defendeu a saída ordenada dos mineradores de Bitcoin do país.

No entanto, a mineração ainda não foi proibida, com gigantes do setor, como a Bitmain, nascida em Pequim, operando no país e no exterior. Isso continuou, apesar do impacto adverso do mercado em baixa de cripto, da pressão interna e do aumento dos atritos comerciais com os Estados Unidos.

No final de março, a Bitmain anunciou seus planos para instalar 200.000 unidades de equipamentos de mineração na China para se beneficiar da energia hidrelétrica de baixo custo do país, mesmo quando ela contratou suas operações no exterior.