Juiz canadense nomeia representantes legais para clientes da QuadrigaCX

A Suprema Corte da Nova Scotia ordenou que as empresas de advocacia canadenses Miller Thomson e Cox & Palmer representassem clientes da casa de câmbio de criptomoedas QuadrigaCX nos próximos processos. A decisão foi anunciada em um processo judicial publicado em 19 de fevereiro.

Na terça-feira, o juiz Michael Wood tomou a decisão de que Miller Thomson e Cox & Palmer atuariam como conselheiros para representar o comitê representativo de usuários da Quadriga moeda no Canadá.

Especificamente, o conselho representativo será responsável por “gerenciar as comunicações com os usuários; atuando como contato do usuário para o monitor [Ernst & Young]; defender os interesses do usuário perante o tribunal; identificar potenciais interesses conflitantes entre os usuários; e defendendo a privacidade do usuário.”

Na declaração, Wood diz que o processo deve se concentrar na eficiência e na eficácia de custos, e que o advogado não deve ter retentores abertos e realizar investigações onde possam cobrar taxas dos ativos da bolsa. O anúncio explica ainda:

“O conselho representativo pode tornar o processo mais eficiente e rentável para todas as partes, fornecendo um mecanismo claro para a comunicação com as partes interessadas e evitando uma multiplicidade de retentores potencialmente conflitantes.”

Enquanto a próxima audiência está marcada para o dia 5 de março de 2019, Justice Wood afirmou no documento que “espera que o advogado representante, o Monitor e os Candidatos devem chegar a um acordo sobre a maioria, se não todos, de os termos da ordem que poderiam então ser apresentados ao Tribunal para consideração.”

A decisão de Wood segue uma audiência em 14 de fevereiro, quando a Suprema Corte da Nova Scotia reuniu mais de uma dúzia de advogados que estavam disputando para representar os 115.000 comerciantes de criptomoedas e dívida em torno de US$ 260 milhões pela QuadrigaCX.

Em 13 de fevereiro, a Cointelegraph informou que o relatório divulgado recentemente pela Ersnt & Young, apelidado de "Primeiro Relatório do Monitor", afirmou que "em 6 de fevereiro de 2019, Quadriga inadvertidamente transferiu 103 bitcoins avaliados em aproximadamente US$ 468.675 para carteiras frias da Quadriga". Incapaz de acessar suas carteiras frias, o recém-falecido Gerald Cotten era o único responsável pelas carteiras e chaves correspondentes.