Chainalysis arrecada US$ 30 milhões da Accel e outros investidores

A empresa de inteligência em blockchain baseada em Nova York, a Chainalysis, levantou US$ 30 milhões em uma rodada de financiamento Série B liderada pela gigante de capital de risco Accel, confirmou a empresa em uma publicação nesta terça-feira 12 de fevereiro.

O novo financiamento será usado para expandir as operações corporativas da Chainalysis, incluindo um produto Know Your Customer (KYC) que permite às instituições financeiras e plataformas de negociação de ativos digitais verificar a identidade de seus clientes.

A empresa informa que a última rodada de financiamento foi liderada pela Accel, “com a participação de investidores existentes.”

A Chainalysis afirma também que planeja abrir um escritório dedicado à pesquisa e desenvolvimento em Londres com o sócio da Accel, Philippe Botteri.

Em entrevista à revista americana Fortune, Michael Gronager, CEO da Chainalysis, revelou que 90% da receita da empresa veio de clientes da indústria jurídica que usaram ferramentas de análise de blockchain da Chainalysis para rastrear o uso ilícito de criptomoedas. Esses clientes corporativos agora compreendem a maior parte (60%) do negócio.

Além de diversificar a pesquisa e os produtos, Gronager disse à Fortune que a Chainalysis estava se beneficiando do momento positivo das stablecoins. Como publicado anteriormente, em 2018 houve a proliferação da emissão e adoção de novas stablecoins, um tipo de cripto tivo projetado para experimentar menor volatilidade de preços seja pelo lastro em moedas fiat ou por um peg algorítmico.

O CEO da Chainalysis observou:

“Nascida das cinzas do mercado de criptos e da desaceleração da Oferta Inicial de Moedas, a stablecoin foi outra forma de criar tokens de forma fácil e segura. Essa capacidade de negociar dólares americanos com a criptomoeda é muito poderosa.”

Apesar de não divulgar detalhes financeiros, Gronager disse à Fortune que a receita da Chainalysis cresceu três vezes desde abril de 2018, quando levantou US$ 16 milhões da Benchmark Capital para aumentar o número de criptomoedas monitoradas. No entanto, a empresa ainda precisa se tornar rentável, observou ele.

Conforme relatado, a Chainalysis também realiza pesquisas no setor de blockchain. Em janeiro deste ano, um relatório da empresa argumentou que dois grupos de hackers organizados - provavelmente ainda ativos - teriam roubado US$ 1 bilhão em criptomoedas, a maioria dos fundos perdidos em cripto fraudes.

O cofundador e COO da Chainalysis, Jonathan Levin, se recusou a comentar se a empresa havia contribuído com o Departamento de Justiça dos EUA em uma investigação sobre o uso do Bitcoin (BTC) no financiamento de uma suposta interferência nas eleições presidenciais dos EUA de 2016. Em conexão com as investigações, doze oficiais da inteligência russa foram indiciados em julho de 2018.