Empresa indiana de tecnologia de propriedade da Blackstone fecha parceria com a Bitfury em projeto de financiamento comercial

A empresa indiana de tecnologia Mphasis — de propriedade majoritária da multinacional americana de equidade privada Blackstone Group — fechou parceria com a gigante de tecnologia blockchain Bitfury para um projeto de financiamento comercial, como a Reuters publicou em 28 de maio.

A matéria diz que a Blackstone possui 52,3% da Mphasis, listada na Bolsa Nacional de Valores da Índia. De acordo com a Reuters, detalhes do projeto Mphasis-Bitfury ainda estão em evolução, mas o vice-presidente sênior e chefe de pagamentos da Mphasis, Andres Ricaurte, declarou que:

“Nosso objetivo é acelerar a ruptura e a transformação no espaço de financiamento comercial. O objetivo final exato - seja uma plataforma, um token de negociação ou um consórcio ainda está para ser descoberto. ”

O potencial token ou plataforma digital teria como objetivo automatizar pagamentos e outros serviços financeiros em transações de comércio internacional, de acordo com um executivo da Mphasis.

Embora vários projetos já tenham o objetivo aparente de alavancar novas tecnologias para modernizar transações de comércio global, Ricaurte teria dito que os principais serviços financeiros envolvidos - incluindo liquidação entre fronteiras e financiamento de transações - continuam dependentes de uma infraestrutura pesada e antiga.

Ricaurte afirmou que as ineficiências resultantes - visibilidade comprometida para várias partes e defasagens de liquidez - contribuíram para uma diferença mundial de até US$ 1,5 trilhão entre a demanda e a oferta de financiamento comercial. Ele notou que o projeto com a Bitfury, portanto, visaria além da criação básica de uma moeda digital, mas, mais amplamente, procuraria criar:

"Uma representação digital da liquidez dentro dessa cadeia de suprimentos, alavancando essa representação para tornar as transações comerciais mais transparentes e acessíveis para todos."

Para desenvolver a oferta conjunta de financiamento comercial, a Mphasis teria aproveitado a estrutura de código aberto da Bitfury para criar aplicativos blockchain, a Exonum.

Em um comunicado, o CEO da Bitfury, Valery Vavilov, ressaltou que a joint venture terá como objetivo combater a fragmentação nos serviços financeiros existentes através da criação de sistemas interoperáveis.

Como noticiado, a Bitfury foi recentemente avaliada em US$ 1 bilhão e no mês passado lançou um fundo de mineração de Bitcoin dedicado a investidores institucionais em parceria com a empresa de investimentos suíça Final Frontier, da qual possui ações minoritárias.

No início deste mês, um executivo sênior da Oversea-Chinese Banking Corp Ltd., de Singapura - um dos maiores bancos da Ásia - disse que a indústria de financiamento comercial de US $ 9 trilhões precisa urgentemente de inovação digital para mitigar os riscos de fraude existentes.