Forbes publica lista de empresas bilionárias relacionadas a blockchain

A agência de notícias financeiras Forbes lançou uma lista de “Blockchain’s Billion Dollar Babies”, com companhias que estão implementando tecnologia blockchain e têm receita ou avaliação de mercado de pelo o menos US$ 1 bilhão, em 16 de abril.

A lista inclui empresas que fazem parte do desenvolvimento de criptomoedas e blockchain, além de empresas financeiras tradicionais como bancos, casas de compensação, empresas de alimentos, empresas de gerenciamento de cadeia de suprimentos e outros.

A maioria das empresas listadas são nomes conhecidos como Amazon, Walmart, Facebook, ING, Mastercard, Microsoft e Nestle.

Empresas relacionada a criptos da lista incluem a exchange norte-americana Coinbase, a empresa de hardware e mineradora europeia Bitfury, e a rede de serviços financeiros baseada em blockchain e criadora do token XRPRipple.

Além de destacar grandes empresas que estão estudando ou adotando tecnologia blockchain, a lista também inclui protocolos de blockchain que estão sendo adotados e por quem. Diversos protocolos Hyperledger, protocolos Corda do consórcio blockchain R3 e a rede Ethereum estão em proeminência entre uma série de empresas de diversas indústrias.

A Forbes ressalta o potencial da tecnologia blockchain para simplificar os diversos processos comerciais dando como exemplos o Depository Trust & Clearing Corp (DTCC), que mantém registros de 90 milhões de transações diárias, ou a maioria dos US$ 48 trilhões de dólares do mundo em títulos.

Segundo a Forbes, a empresa vai começar a migrar suas 50.000 contas para um sistema baseado em blockchain, que vai ajudar a eliminar procedimentos duplicados e reconciliações que ainda são propensos a acontecer em redes tradicionais de compensação eletrônica.

Na metade de março, o DTCC publicou um white paper destacando os princípios que guiariam os processos pós-negociação de títulos tokenizados. O documento denota as características únicas do nascente mercado de títulos tokenizados e propõe os padrões de política global a que os mercados tradicionais são frequentemente sujeitos, e sua utilidade para as partes interessadas identificarem as responsabilidades legais relativas às plataformas de security tokens.