Bitwise desiste de proposta para ETF de Bitcoin

Um documento de 14 de janeiro endereçadoà  Securities and Exchange Commission (SEC) dos Estados Unidos confirma que a Bitwise Asset Management pediu a retirada de sua aplicação para um fundo negociado em bolsa (ETF) de Bitcoin (BTC). Esta é a segunda grande desistência envolvendo ETFs nos últimos meses, depois de uma iniciativa semelhante da VanEck.

A Bitwise aplicou para registro de ETF em janeiro de 2019. Em março do mesmo ano, divulgou o Bitwise Report sobre o volume de câmbio, alegando que 95% dos volumes de negociação relatados são falsos. A descoberta foi usada pela empresa como argumento para a SEC aceitar a ETF. Ao desconsiderar o do volume negociado, a empresa sustentou que a formação de preços para o BTC ocorria principalmente em bolsas regulamentadas.

O argumento não convenceu a comissão, que rejeitou a proposta em outubro de 2019. Um mês depois, no entanto, o regulador decidiu revisar sua decisão.

Não está claro por que a Bitwise decidiu retirar seu pedido por um ETF agora. Os representantes da Bitwise não responderam a um pedido de comentários do Cointelegraph.

Uma proposta de alto perfil da VanEck seguiu um caminho semelhante ao da empresa, retirando seu pedido em setembro de 2019.

Os caminhos para um ETF

Um ETF é um fundo de ações que rastreia um ativo ou índice de ativos específico. Suas ações podem ser negociadas livremente durante o dia e geralmente seguem de perto o preço do ativo subjacente. Um ETF de Bitcoin permitiria, assim, que investidores institucionais e de varejo ganhassem exposição direta à moeda - enquanto negociavam dentro dos limites das bolsas tradicionais regulamentadas.

Houve muitas tentativas históricas de registrar um ETF de Bitcoin, mas elas sempre foram rejeitadas pela SEC. Suas principais preocupações continuam sendo sobre a dificuldade de custódia e o potencial de manipulação do mercado. Embora o presidente da SEC, Jay Clayton, tenha notado em setembro de 2019 em uma entrevista que o progresso estava sendo feito, ele observou que "mais trabalho será necessário".

O regulador deve decidir sobre outra proposta para um ETF de Wilshire Phoenix até fevereiro de 2020.