Investidores da Bitmain podem propor ação coletiva contra empresa, afirma crítico

Um crítico de criptomoedas e da gigante de mineração Bitmain, BTCKING555, disse que um grupo de investidores está preparando uma ação coletiva contra a empresa em um tweet em 26 de março.

BTCKING555 disse no post que um número de investidores da Bitmain vai entrar com uma ação coletiva contra a empresa em Hong Kong, buscando recuperar seus investimentos após o término da oferta inicial da oferta pública de ações (IPO) da Bitmain. O post diz:

“... já em agosto eu avisei muitos investidores e os impedi de investir. Aqueles que não ouviram, boa sorte recuperando seu dinheiro. Ouvi dizer que há ações coletivas em obras em Hong Kong”.

BTCKING555 também afirma que no verão passado, Bitmain cresceu US$ 700 milhões e salvou a empresa da falência. Os investidores, por sua vez, previram que o valor de suas ações aumentaria significativamente, embora isso ainda não tenha ocorrido:

“Ninguém irá a Bitmain para financiar e esperará litígios para os investidores tentarem recuperar seu dinheiro. Se não fosse pelo aumento de US$ 700 milhões em fundos, Bitmain estaria falida agora. Jihan e CFO mentiram sobre números e investidores (Softbank, Tencent) para garantir capital.”

BTCKING555 observações seguem notícias que a solicitação da Bitmex para listar seu IPO na Bolsa de Valores de Hong Kong (HKEx) chegou ao final de sua janela de expiração de seis meses. De acordo com as regras de listagem da HKEx, o arquivamento chegou ao final de sua janela de validade sem relatórios confirmados de uma audiência da Comissão, tornando a aplicação obsoleta.

Bitmain primeiro confirmou seus planos de listagem de IPOs no verão de 2018, quando o ex-CEO da Bitmain, Jihan Wu, revelou que a empresa estava ponderando uma oferta pública de ações no exterior em um mercado com Ações denominadas em dólar norte -americano, como Hong Kong.

Mais tarde, em agosto, surgiram relatos de Bitmain supostamente selando um acordo de financiamento de IPO, elevando sua avaliação para US$ 15 bilhões. Tanto o conglomerado chinês de tecnologia Tencent quanto o SoftBank do Japão estavam supostamente envolvidos.

Em resposta às investigações da Cointelegraph na época, a Softbank posteriormente negou seu suposto envolvimento. Tencent iludiu confirmação formal ou negação, outros investidores supostamente logo se distanciaram do envolvimento de rumores.