No final das contas, o Bitcoin 'pode ser' um instrumento financeiro confiável, diz Mark Cuban

Um dos críticos mais ferrenhos do Bitcoin (BTC) deu sinais contraditórios sobre sua confiabilidade como um ativo financeiro.

Em comentários à Forbes publicados em 10 de dezembro, Mark Cuban pareceu se contradizer sobre a utilidade geral do Bitcoin.

Quando perguntado se a criptomoeda poderia ou não se tornar um "instrumento financeiro confiável", o proprietário do Dallas Mavericks deu duas respostas diferentes.

"Sem chance", escreveu ele a princípio. Posteriormente, ele acrescentou: “É um colecionável. Se você considera arte ou ouro um ativo financeiro estável e viável, então sim. Pode ser."

O fiduciário não consegue respaldar os detratores de Bitcoin

Enquanto Cuban reclama que os investidores teriam atrasado o Bitcoin devido à dificuldade de entender como ele funciona, a ambiguidade dos comentários destacou o que se tornou um problema comum para os céticos ao Bitcoin - explicar justamente por que eles são céticos.

Em um exemplo emblemático do ano passado, o famoso detrator do BTC Jamie Dimon, CEO do JPMorgan, disse a um repórter do Cointelegraph que ele "não era cético" ao Bitcoin quando pressionado a explicar sua alegação anterior de por que a principal criptomoeda era uma fraude.

Cuban parecia colocar o Bitcoin e o ouro em pé de igualdade com a moeda fiduciária, algo que os proponentes do Bitcoin pelo conrário, negam.

Como o Cointelegraph frequentemente observa, figuras como Saifedean Ammous, autor de "The Bitcoin Standard", argumentam que é o suprimento limitado do Bitcoin que está entre seus maiores ativos. O fiduciário, por outro lado, enfrenta manipulação e inflação ilimitados, destruindo valor para aqueles que o possuem ou o “colecionam”.

Cuban tem um histórico de "insultar" o Bitcoin. Em setembro, ele sugeriu que preferiria bananas do que participações em Bitcoin.