Comentários de John Kerry e Jamie Dimon mostram a visão apática de Davos com as criptomoedas

O ex-secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse que a criptomoeda é um tópico no Fórum Econômico Mundial (WEF) "em razão do seu valor", falando com a Cointelegraph.

Em comentários exclusivos para a Cointelegraph, que está participando do evento atualmente em curso em Davos, Kerry não pareceu nada surpreso no que o Bitcoin e o Blockchain se tornaram: um importante ponto de discussão nos círculos financeiros globais.

"As pessoas estão investindo nisso, são sérios montantes de dinheiro e elas se tornaram valiosas, portanto será falado sobre isso.", disse ele.

A resposta vem quando a criptomoeda recebe cada vez mais atenção regulatória e publicidade associada em todo o mundo.

No meio de sinais mistos de legisladores em grandes jurisdições, como a Coreia do Sul, o alto perfil da criptomoeda, no entanto, aparece em baixa com as avaliações comparativamente simplistas dadas pelos participantes de Davos.

O CEO da JPMorgan, Jamie Dimon, quando perguntado sobre como se sentiu por ter movido mercados com sua acusação de que Bitcoin era uma "fraude" no ano passado, disse a Cointelegraph que ele "não poderia responder".

"Eu não sou cético!", Ele protestou quando pressionado sobre seu ponto de vista crítico anterior sobre as criptomoedas.

Nos bastidores do evento, a Cointelegraph relatou anteriormente como o presidente do Banco Nacional Suíço, Thomas Jordan, defendeu a regulamentação tradicional da criptomoeda de acordo com os instrumentos financeiros existentes.

Além disso, o economista Joseph Stiglitz foi mais longe, defendendo o dólar americano e dizendo a Bloomberg que o uso ilícito do Bitcoin chamaria muito a atenção dos governos para "regulamentá-lo de qualquer maneira".

Por outro lado, durante uma sessão emblemática no "Perspectiva Estratégica para a Economia Digital", os painelistas do WEF não mencionaram criptomoedas uma única vez durante a sessão de uma hora, apesar do seu crescente impacto ser sentido em todo o mundo.