WSJ afirma que US$ 9 milhões foram lavados através da Shapeshift com base em investigação falha, dizem analistas

A empresa de inteligência blockchain CipherBlade acusou o Wall Street Journal (WSJ) de usar métodos investigativos falhos e, assim, superestimar a extensão da suposta lavagem de dinheiro através da exchange de criptomoedas ShapeShift. A análise da CipherBlade da reportagem do WSJ foi publicada em um post no blog em 20 de março.

Conforme reportado, o WSJ publicou uma extensa exposição no outono de 2018 que alegou que a ShapeShift havia facilitado a lavagem de pelo menos US$ 9 milhões através de criptomoedas - supostamente mais do que qualquer exchange com escritórios nos Estados Unidos durante as investigações do jornal.

O WSJ alegou que a exchange havia processado milhões de dólares em recursos criminais, uma grande proporção dos quais supostamente estavam sendo convertidos em moedas focadas na privacidade como o Monero (XMR).

A pedido da ShapeShift, a CipherBlade realizou uma extensa análise da investigação do WSJ, concluindo que a alegação de “lavagem de US$ 9 milhões” foi exagerada a um fator de 4x”, dado que:

“Ao rastrear supostas 'lavagens' através de 'não mais do que dois intermediários antes de chegar a uma exchange', a metodologia declarada do WSJ era fundamentalmente falha [...] O rastreamento de quaisquer fundos - ilícitos ou não - ao longo de múltiplas transações é extremamente difícil e apresentar o conteúdo total das carteiras subsequentes como ilícitas é forensicamente incorreto”.

A CipherBlade afirma, assim, que as alegações do WSJ foram necessariamente distorcidas e que um método forense sólido implicaria, em vez disso, um rastreamento granular de moedas identificáveis ​​ilícitas, não uma extrapolação do dossel para o conteúdo de todas as carteiras associadas:

“Dos endereços da ShapeShift que recebem ETH dentro de três saltos dos endereços iniciais sujos, menos da metade do ETH negociado através deles está contaminado. Usando as suposições mais generosas, isso representa apenas 23,53% dos US$ 9 milhões do WSJ.”

A CipherBlade critica não apenas a análise técnica do WSJ, mas também os dados em si, que supostamente não suportam suas conclusões, mesmo se tomadas pelo valor nominal. Em relação às reivindicações do Journal sobre a conversão de moeda de privacidade, a CipherBlade observa que:

“Dos 5523 endereços da ShapeShift na planilha do WSJ que realmente correspondem a negociações, 30,38% do BTC e apenas 5,53% do ETH enviados para esses endereços foram trocados por Monero.”

A CipherBlade concentrou-se notavelmente na suposta lavagem rastreando os caminhos do Ethereum (ETH) - em alguns casos envolvendo conversão em moedas focadas em privacidade - e não examinou os dados relacionados ao Bitcoin usados ​​pela revista.

Como reportado anteriormente, o fundador e CEO da ShapeShift, Erik Voorhees, refutou as alegações do relatório do WSJ logo após sua publicação, alegando que ele era “factualmente impreciso e enganoso”, e que seus autores não tinham compreensão suficiente da tecnologia de criptomoeda.