Erik Voorhees, CEO da ShapeShift, refuta relatórios do WSJ de "dinheiro sujo"

A casa de câmbio ShapeShift refutou um relatório recente do Wall Street Journal que informou que US $ 9 milhões em fundos ilícitos passaram pela casa, de acordo com um anúncio publicado em 1º de outubro.

Em 28 de setembro, o WSJ divulgou um artigo intitulado “Como o dinheiro sujo desaparece no buraco negro da criptomoeda”, alegando que US $ 88,6 milhões em fundos obtidos fraudulentamente foram canalizados através de 46 casas de câmbio cripto, dos quais US $ 9 milhões foram lavados através da ShapeShift. Para analisar as transações do ShapeShift, o WSJ teria baixado e armazenado uma lista das 50 últimas transações a cada 15 segundos no site da bolsa.

Na postagem do blog, o fundador e CEO da ShapeShift, Erik Voorhees, confirma que a equipe da casa de câmbio trabalhou com jornalistas do WSJ por cinco meses, mas “sob falsos pretextos”, conforme informações fornecidas pela casa foram supostamente deturpadas ou omitidas.

Em seu artigo, o WSJ afirma que os maus atores aproveitaram o anonimato do usuário do ShapeShift, convertendo o Bitcoin (BTC) na criptomoeda supostamente não rastreável Monero. Voorhees defendeu acusações, afirmando que a empresa tem um programa interno de combate à lavagem de dinheiro (AML, na sigla em inglês) que implanta “blockchains forneses que são muito mais avançados do que pedir a alguém pelo seu 'nome e endereço'”.

Vorhees afirma ainda que o WSJ "previu a chance de prevenir uma potencial atividade ilícita" em suas práticas de reportagem. O post do blog diz que o WSJ reteve dados sobre contas suspeitas “para construir sua história”. Ao fazê-lo, o WSJ supostamente não relatou atividades suspeitas para as casas de câmbio apropriadas, incluindo a ShaheShift, para que elas pudessem bloquear imediatamente as contas.

De acordo com o CEO da casa de câmbio, as alegações feitas pelo WSJ são “factualmente imprecisas e enganadoras”, e os autores do WSJ não tinham uma compreensão suficiente do blockchain e do modo como a ShapeShift opera em particular. O post do blog afirma que os repórteres do WSJ erroneamente leram registros de transferências de token a um grau tal que eles erroneamente atribuíram US $ 70.000 de "dinheiro sujo" à casa:

"US $ 600 de fundos suspeitos foram enviados para uma casa de câmbio que não era a ShapeShift. Como a ShapeShift passa a ser um cliente dessa mesma casa - 10 meses depois, em uma transação completamente não relacionada - a casa enviou fundos para a ShapeShift. Os autores não entenderam como ler corretamente as transações de blockchains, então presumiram que havia $70k em 'dinheiro sujo' enviado para a ShapeShift."

Vorhees conclui o artigo dizendo que "estamos tentando abrir um novo sistema financeiro e não esperamos ser amados pelos proponentes do passado". Ele afirma:

"Vamos avançar, e sugerimos que o WSJ mude seu título para que seja mais preciso e objetivo: 'Menos de dois décimos de um por cento dos negócios da ShapeShift podem ser ilícitos'".