Universidade de Michigan concede investimento de cripto no fundo de risco Andreessen Horowitz

A doação de US$ 12 bilhões da Universidade de Michigan pretende aumentar seu investimento em um "fundo de tecnologia de cryptonetwork" (CNK Fund I) administrado pela empresa de capital de risco americana Andreessen Horowitz. O desdobramento foi revelado na agenda da reunião do Conselho de Regentes da universidade em 21 de fevereiro.

De acordo com o documento, a doação já havia comprometido US$ 3 milhões para o Fundo CNK I em junho de 2018 e agora o incluiu como uma parceria aprovada para um investimento subsequente, quantia não especificada. A pauta afirma que o fundo - criado pelo QG da Andreessen que tem sede em Menlo Park, na região da Califórnia - “investe em empresas de tecnologia de cryptonetwork em todo o espectro de oportunidades de sementes, empreendimentos e estágio de crescimento”.

O documento descreve a lógica de apoiar o fundo de cripto dedicado da Andreessen Horowitz, observando que a cripto “tornou-se uma importante área de inovação e empreendedorismo que merece atenção concentrada” e que é considerada “um tipo distinto de tecnologia por empreendedores, fontes de financiamento, e desenvolvedores.”

A agenda continua:

“À medida que as oportunidades relacionadas à transição de cryptonetworks se tornam indefinidas, tornando-se mais visíveis e bem definidas, a necessidade de um fundo temático separado pode retroceder. Além disso, o cenário regulatório para investimentos baseados em cripto é potencialmente mais complicado do que no caso do tipo de investimento tradicional em TI que, de outra forma, caracteriza as atividades da AH”.

Como relatado anteriormente, vários prestigiosos fundos universitários começaram a apoiar fundos focados em cripto.

Em outubro de 2018, a Yale League, que possui a segunda maior doação dos Estados Unidos, revelou-se um dos investidores que ajudaram a arrecadar US$ 400 milhões para um novo fundo focado em cripto criado por veteranos da Coinbase e do fundo de cripto Pantera Capital.

Naquele mesmo mês, foi relatado que o presidente da Harvard - cuja doação de cerca de US$ 39,2 bilhões para o ano fiscal de 2018 foi a maior do que de qualquer universidade global - investiu capital em "pelo menos um fundo de criptomoeda". O relatório fez a mesmo reivindicação para mais quatro instituições americanas de prestígio - a Universidade de Stanford, o Dartmouth College, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e a Universidade da Carolina do Norte.

Em dezembro de 2018, Spencer Bogart — sócio da empresa de capital de risco Blockchain Capitalobservou que a entrada de grandes doações universitárias no espaço cripto demonstra o aumento da institucionalização da classe de ativos.

Neste mês, a importante firma de consultoria de pensões e doações Cambridge Associates publicou uma nota de pesquisa argumentando que a cripto representa um investimento que vale a pena para as instituições "com um olho no longo prazo".