'Parceria' da Tron com a polícia local contra uma multidão em fúria no escritório de Pequim

O escritório da Tron em Pequim foi cercado pela polícia quando uma multidão se reuniu para protestar contra um esquema de ponzi chinês que usava por um nome parecido com o da Tron, informou no Twitter a Crypto Authority em 8 de julho.

Vídeos com multidões cercadas por policiais no escritório da Tron se espalharam pelo Twitter, com pessoas aparentemente expressando indignação por um golpe de cripto local que supostamente levou a prejuízos de US$ 30 milhões e a um suicídio.

Como pode ser visto nos vídeos, as pessoas aparentemente consideram a Tron a entidade fraudulenta, com a multidão gritando "A Tron é uma farsa".

O CEO da Tron, Justin Sun, comentou a notícia, chamando as manchetes, que dizem que o escritório de Tron foi invadido pela polícia, como "fake news".

“A Tronfoundation e a BitTorrent estão bem. Tudo está bem. Estamos nos preparando para o lançamento do BitTorrentSpeed ​​hoje. Parem de espalhar notícias e fotos falsas.”

Sun também alertou recentemente os investidores contra esquemas fraudulentos usando nomes BitTorrent, de propriedade da Tron, e da própria Tron.

"Como um protocolo blockchain líder, existem esquemas Ponzi usando os nomes TRON, BitTorrent ou uTorrent como "MMM Bitcoin, pirâmide Ethereum e esquemas ecossistêmicos da EOS", escreveu Sun em 5 de julho. "Nós nunca pediremos para que você mande dinheiro."

A resposta do CEO da Tron seguiu relatórios sobre o alegado esquema de esquema de cripto conhecido como "Wave Field Super Community", que foi associado com a Tron por investidores locais, já que na China, a Tron é conhecida pelo nome de "Wave Field".

De acordo com uma reportagem da agência de notícias chinesa Nuclear Finance, a “Wave Field Super Community” foi lançada em janeiro de 2019, alegando um “super representante” da Tron. Embora os investidores afirmem ter pedido à Tron esclarecimentos sobre a conexão entre as entidades, Sun não comentou a questão desde janeiro, observa a reportagem.

Com base nisso, pessoas iradas foram ao escritório de Tron para expressar seu ressentimento sobre o silêncio da empresa quanto à entidade fraudulenta operando sob um nome similar.

Mati Greenspan, analista de mercado sênior do mercado de comércio social eToro, declarou que a polícia no escritório da Tron veio para proteger a equipe de investidores irritados. Greenspan tuitou:

“Há muita desinformação rolando por aí, então para esclarecer. O escritório da Tron não foi invadido pela polícia. Foi a Tron quem chamou a polícia para protegê-los dos investidores que estão chateados que a Tron os enganou."

Alguns comentaristas on-line, enquanto isso, brincaram com a reputação da Tron de anunciar colaborações, considerando o caso como uma nova parceria entre Tron e a polícia local.