Para escapar de nova regulamentação da Receita, empresa brasileira de criptomoedas se muda para as Bahamas

Para evitar as regras impostas pela Instrução Normativa (IN) 1.899 da Receita Federal do Brasil, que entra em vigor no próximo dia 1 de agosto, a empresa brasileira de investimento em criptomoeda Anubis Trade anunciou, em comunicado divulgado nesta quarta-feira (31), sua mudança para as Bahamas.

Em seu anúncio oficial denominado "Expansão Internacional", a empresa declara ter escolhido sair do Brasil em busca de "cenário regulatório mais favorável para as empresas de criptoativos". 

Fundador da empresa, Matheus Grijó, falou com exclusividade ao Cointelegraph e disse quea IN 1.899 é "autoritária demais e não respeita a privacidade dos usuários de criptomoedas".

Ele também contou que escolheu uma economista-chefe colombiana para a Anubis -  Angela Peña Parra - a fim de se aproximar ainda mais da comunidade latino-americana, onde a companhia já possui diversos clientes.

Entre as polêmicas da IN 1.899 está a obrigatoriedade das exchanges e empresas de criptomoedas de reportar mensalmente às autoridades todas as movimentações de seus clientes.

Como não estará mais no Brasil, a regra não se aplica à Anubis. Os clientes da empresa, entretanto, continuam sujeitos à regulamentação do país e deverão fazer a declaração por conta própria.

A Anubis Trade afirma "se preocupar com a privacidade de seus clientes", e não solicita quaisquer dados pessoais de seus usuários.

Por fim, a plataforma de investimentos garante que "nenhuma informação privada será informada à qualquer autoridade pública, do Brasil ou outro país". 

Conforme reportado pelo Cointelegraph, a instrução normativa 1.899 (alteração na IN 1.888 de 3 de maio de 2019) gera tensão e debates entre autoridades brasileiras e empresas e usuários de criptoativos.