Criptomoeda oficial das Ilhas Marshall possui inspiração no trabalho da Block.One

Faz quase um ano que a República das Ilhas Marshall (RMI) divulgou o desenvolvimento de sua moeda digital nacional, chamada Sovereign (SOV). A criptomoeda está preparada para resolver alguns problemas que a RMI enfrenta, incluindo altos custos de remessas. Um curso legal de criptomoeda poderia supostamente criar uma situação em que a solução para remessas caras é "incorporada" ao próprio sistema monetário.

Examinando o white paper do SOV, o Cointelegraph notou que ele sugere um sistema de DPoS (Delegate Proof of Stake) que provavelmente é derivado do EOS, especificamente quando se trata de bloquear a produção. O Cointelegraph procurou Jim Wagner, co-fundador e CTO da SFB Technologies, a empresa por trás do desenvolvimento da infraestrutura de blockchain do SOV, para comentar se o sistema do token é baseado no EOS, desenvolvido pela Block.One.

Inspirado no trabalho da Block.One

Wagner confirmou que o SOV está atualmente em ativo desenvolvimento internamente e que o design da criptomoeda não apenas tem semelhanças com o EOS, mas é de fato inspirado no trabalho da Block.One. Ele também disse que sua cadeia é completamente independente, mas se recusou a comentar sobre interoperabilidade ou parcerias.

Comentando sobre o número esperado/testado da taxa de transferência de transações por segundo na blockchain, Wagner disse que essas métricas de benchmarking estarão disponíveis em breve.

Status do desenvolvimento

De acordo com o white paper, cada SOV será composto de 100 centavos (Sovis). Cada Sovi, por outro lado, será divisível em quatro casas decimais, o que torna o design do token diferente dos criptoativos "tradicionais".

Pode parecer que os desenvolvedores pretendam familiarizar a moeda com as pessoas acostumadas a pensar em moeda em centavos, mas também com o objetivo de permitir microtransações de menor valor.

Em resposta a essa sugestão, Wagner disse que "é útil criar uma terminologia conveniente, mas, dependendo do valor e do uso, uma nova terminologia para diferentes frações pode surgir".

Falando sobre o status atual do desenvolvimento do SOV, Wagner revelou o seguinte:

“As Ilhas Marshall estão se preparando para lançar a Emissão Monetária de Liberação Temporizada (TRMI), a fim de introduzir o SOV de maneira gradual. O pré-SOV é o direito de receber uma unidade SOV assim que o SOV for emitido.”

Manifestando a liberdade nacional das Ilhas

A idéia por trás do projeto SOV está na busca do governo da RMI de "manifestar nossa liberdade nacional", além de criar uma moeda estatal alternativa ao dólar dos EUA, que a pequena nação insular vem usando há décadas. Por 40 anos, o país havia sido administrado pelos EUA como parte do Território de Confiança das ilhas do Pacífico, alcançando a independência em 1986 sob o Pacto de Associação Livre.

Em setembro, o honorável David Paul - Ministro em Assistência ao Presidente e Meio Ambiente da RMI - publicou um ensaio, no qual explicou que a RMI optou por emitir um segundo curso legal baseado na tecnologia blockchain, porque as soluções centralizadas não são viáveis em um país de pouco mais de 50.000 pessoas espalhadas por mais de 1.000 ilhas do Pacífico.

O ministro Paul destacou que o SOV terá um suprimento de dinheiro fixo e inviolável, e que seu crescimento será predeterminado em 4% ao ano. Ele ainda argumentou:

“Optamos por criar uma oferta monetária fixa com crescimento fixo, porque as moedas fiduciárias podem ser notavelmente instáveis. [...] As políticas dos principais bancos centrais não são tranquilizadoras, como atestam os preços do ouro e do bitcoin. Nós, como governos, precisamos adotar uma abordagem mais sustentável do dinheiro, e não tratá-lo como um recurso ilimitado.”

No entanto, o desenvolvimento do SOV foi desafiado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que alertou as autoridades das ilhas contra a adoção de criptomoedas, afirmando que isso representaria riscos à integridade financeira do país, bem como ao relacionamento com bancos estrangeiros. O regulador instou a RMI a reconsiderar a emissão de uma criptomoeda até que o governo possa fornecer e implementar "estruturas de políticas fortes".

Adrian Zmudzinsky contribuiu para esta reportagem.