Ilhas Marshall lançam criptomoeda nacional com 'suprimento fixo'

As Ilhas Marshall emitiram uma moeda nacional baseada em blockchain em uma tentativa de "finalmente adquirir independência monetária de uma maneira que reflita os valores de marshalleses".

A emissão do soberano marshallês (SOV) foi anunciada em um ensaio do honorável David Paul - ministro em assistência ao presidente e meio ambiente das Ilhas Marshall - publicado pela Coindesk em 4 de setembro.

“Conectado ao sistema financeiro global em seus próprios termos”

As Ilhas Marshall aprovaram uma Lei da Moeda Soberana em 2018, declarando sua intenção de lançar sua nova moeda digital nacional. O país, que é independente desde 1979, até agora usa o dólar dos Estados Unidos como moeda oficial para todos os pagamentos, dívidas, encargos públicos, impostos e taxas.

Estima-se que a dependência do Estado em subsídios dos EUA totalize cerca de US$ 70 milhões a cada ano, como publicado pelo Cointelegraph no começo do ano.

Em seu ensaio, o ministro Paul destaca que a escolha das ilhas por emitir um segundo curso legal baseado na tecnologia blockchain foi baseada na convicção de que soluções centralizadas não são viáveis ​​em um país de pouco mais de 50.000 pessoas espalhadas por mais de 1.000 ilhas ao longo do Pacífico.

Além da descentralização, a blockchain oferece ao país a possibilidade de ter a conformidade "incorporada no próprio protocolo de moeda" - nas palavras do ministro - "mantendo a privacidade das pessoas".

A tecnologia, observa ele, permite que o Estado automatize grande parte de suas obrigações de conformidade, reduzindo os custos associados aos sistemas existentes e, assim, ajudando-o a assumir um papel mais proativo na luta global contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo.

Entidades aprovadas - como bancos ou exchanges - terão a tarefa de verificar a identidade dos usuários do SOV, desvando assim das brechas do anonimato. Porém, escreve o ministro, o país procurará proteger a privacidade financeira, tanto quanto possível, argumentando que:

"É crucial que usuários individuais tenham uma expectativa razoável de privacidade - especificamente, a capacidade de escolher quando divulgar suas informações, o que exatamente compartilhar e com quem".

Os governos não precisam tratar o dinheiro como um "recurso ilimitado"

O ministro Paul destaca que o SOV terá um suprimento fixo, será à prova de fraudes e que seu crescimento será predeterminado em 4% ao ano. Ele argumenta que:

“Optamos por criar uma oferta monetária fixa com crescimento fixo, porque as moedas fiduciárias podem ser notavelmente instáveis. [...] As políticas dos principais bancos centrais não são tranquilizadoras, como atestam os preços do ouro e do Bitcoin. Nós, como governos, precisamos adotar uma abordagem mais sustentável do dinheiro e não tratá-lo como um recurso ilimitado.”

Outros aspectos do ensaio apontam para o fato de que os serviços de remessa fiduciária atualmente são extremamente caros para os cidadãos, algo que os sistemas baseados em blockchain sem atrito podem ajudar a mitigar.

Conforme relatado recentemente, a China se prepara para lançar uma moeda digital baseada em blockchain, apoiada pelo banco central, para uso em cenários de varejo.