Banco privado suíço diz que 400 novos clientes querem seus produtos cripto

banco privado suíço Maerki Baumann foi tomado por mais de 400 novos clientes querendo aproveitar suas futuras ofertas de blockchain desde que revelou seu interesse no setor.

A Swiss Info informou em 22 de agosto que a instituição com sede em Zurique - que tem US$ 8,2 bilhões em ativos sob gestão, mas enfrenta forte concorrência no mercado e uma erosão de suas margens - optou por abraçar a blockchain para revitalizar seus negócios.

Proposta é de ser “o banco privado” suíço da cripto

Em uma entrevista à Swiss Info, o CEO da Maerki Baumann, Stephen Zwahlen, disse que a revelação do banco de que ele lançaria um negócio de cripto já sinaliza uma reversão dramática em sua sorte:

“No nosso negócio tradicional, geralmente temos que correr atrás de cada cliente. É muito raro os clientes virem bater a nossa porta. De repente, tínhamos 400 pessoas querendo falar conosco. E eles eram exatamente as pessoas gentis que lutávamos para ter algum acesso nos últimos 10 anos [...] eles tnham tipicamente entre 30 e 40 anos de idade, muito bem educados e com uma mentalidade empreendedora.”

Zwahlen disse que o Maerki Baumann tem "a ambição de ser o banco privado na arena de cripto suíça", ressaltando que o apoio bancário à indústria nascente continua sendo uma questão problemática no país.

"Não pode ser que empresas suíças inovadoras tenham que ir a Liechtenstein para serviços bancários corporativos", disse ele. "Muitos deles representam uma grande oportunidade para desenvolver ainda mais o nosso centro financeiro."

O foco inicial do Maerki Baumann - aprovado por seu conselho em março deste ano - será oferecer contas empresariais e consultoria para novas empresas lançando ofertas de security tokens.

No início de 2020, o objetivo é estabelecer parcerias com especialistas em cripto para implantar serviços de armazenamento e comércio terceirizados para o Bitcoin (BTC) e outros ativos digitais.

Espera-se que a cripto supere os negócios tradicionais

A terceira etapa do negócio de cripto planejado pelo Maerki Baumann será fornecer serviços de consultoria e gerenciamento de ativos para clientes de bancos privados que desejam investir em novos crptoativos, como ações tokenizadas. Antecipando grande demanda e recompensas para essa nova área, Zwahlen disse:

"Espero que, ao longo do tempo, os ativos digitais, como a cripto/blockchain, possam assumir uma importância ainda maior do que o nosso negócio tradicional de private banking, especialmente em termos de crescimento de ativos".

Porém, o Maerki Baumann não colocará o Bitcoin diretamente em seus livros, revelou o CEO, observando que o banco sempre terceiriza os processos de negociação, compensação e liquidação.

No verão de 2018, o Hypothekarbank Lenzburg tornou-se o primeiro banco suíço a fornecer contas empresariais para empresas de fintech relacionadas a de blockchain e cripto.