SWIFT Versus Ripple — A importância da velocidade nos pagamentos transfronteiriços

O surgimento da tecnologia blockchain alterou, indubitavelmente, o curso do desenvolvimento global dos pagamentos digitais. Com projetos como o Ripple e o Libra do Facebook desafiando o monopólio de bancos e outras instituições financeiras, os principais players como SWIFT, Visa e Mastercard foram forçados a buscar melhorias significativas em seu sistema de liquidação.

Seguindo adiante, a questão da liquidação parece ser relevante. Os sistemas Blockchain funcionam na premissa de substituir o sistema de liquidação por uma infraestrutura de pagamentos mais segura e eficiente. Os principais jogadores nesse espaço parecem forçados a encarar o quebra-cabeça evolucionário por excelência de “se adaptar ou morrer”.

Como em toda corrida tecnológica, os jogadores têm que descobrir quais parâmetros lhes darão uma vantagem sobre o resto dos competidores no campo de jogo. A velocidade da transação, a segurança e a eficiência de custos são alguns dos pontos problemáticos da moderna indústria de remessas transfronteiriças.

Mais rápido, mais barato e mais rápido ainda

Rápido, bom e barato - os três vértices do triângulo de gerenciamento de projetos descrevem, sem dúvida, o ato de equilíbrio enfrentado pelas empresas que buscam liderar o caminho no setor de pagamento em desenvolvimento. Conforme reportado pela Cointelegraph, a Sociedade para Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais (SWIFT) testou recentemente um novo sistema de pagamento transfronteiriço instantâneo que oferece melhorias significativas no tempo de processamento dos pagamentos.

A medida faz parte dos planos da SWIFT de habilitar recursos de liquidação instantânea por meio de sua Global Payments Innovation (GPI), na esteira da concorrência iminente de empresas como a Ripple. O SWIFT também promete que o novo sistema reduzirá o custo de adoção para instituições financeiras que usam o framework.

Relacionado: XRP, Libra e Visa brigam pela coroa das remessas transfronteiriças

Normalmente, o fator de equilíbrio para a maioria dos projetos é como atingir dois dos três parâmetros listados anteriormente. Para as remessas transfronteiriças, a inovação tecnológica cuida dos componentes de velocidade e custo. Empresas de blockchain como a Ripple prometem acordos de transações em apenas quatro segundos, custando alguns centavos para transferir dinheiro de um canto do mundo para outro.

O Cointelegraph Cointelegraph conversou com Kenny Li, CEO da Worthyt e analista da tecnologia blockchain, sobre a importância geral da velocidade das transações no desenvolvimento da arena das remessas transnacionais. De acordo com Li:

“Eu acho que as pessoas se importam com velocidade, definitivamente. Velocidade e conveniência são muito importantes, mesmo no espaço do blockchain. É por isso que as pessoas estão dispostas a trocar a segurança da descentralização e da propriedade com a conveniência da velocidade nas exchanges centralizadas. Então, eu acho que os mais rápidos vão ganhar. Mas eu não acho que você precise ser o mais rápido. Rápido é o suficiente. Visa faz cerca de 1-2k transações por segundo (tps). Existem blockchains que já podem fazer isso com 'Delegated PoS' - Prova de posse delegada, (EOS é o melhor exemplo, e tenho certeza de que o Libra não terá problemas com isso, pois também parece algo como o PoS delegado) ”.

Li, no entanto, manteve que a taxa de transferência de transações por si só não é o ideal e o fim de tudo para um sistema como a remessa global. Explicando ainda mais, Li opinou:

“Quando você atinge um limite, o resto é apenas um direito de se gabar. Acho que esse limite pode ser de 3 a 5 mil tps (estimativa aproximada com base na suposição da participação de mercado da Visa, penetração em países com firewalls como a China, penetração global e o fato de um sistema não se tornar facilmente um monopólio) ”.

Peque o Ripple, por exemplo: A empresa diz que o XRP pode lidar com 1,500 TPS e é escalável até 50,000 TPS. Em escala global, 50.000 TPS podem até ser considerados excessivos. No entanto, é rápido e mais barato o suficiente para que sistemas blockchain desloquem o aparato bancário tradicional?

O fardo bancário

O CEO da Ripple, Brad Garlinghouse, destacou consistentemente um aspecto particular do sistema financeiro de liquidação que cria ineficiências nos pagamentos internacionais - a necessidade de relacionamento com bancos correspondentes.

Bancos comerciais em todo o mundo tendem a manter contas com bancos correspondentes no exterior para implementar transferências eletrônicas transnacionais, geralmente através da rede SWIFT. Os proponentes de pagamento com Blockchain, como Garlinghouse, dizem que o mecanismo de conta Nostro/Vostro cria atrasos e ineficiências no sistema.

Para transferências eletrônicas por meio de um sistema como o SWIFT, os bancos participantes precisam ter relacionamentos correspondentes no exterior. Um banco correspondente faz ou recebe pagamentos em nome de outra instituição financeira em um país diferente.

Por exemplo, se o Banco A do País 1 precisar enviar uma transferência eletrônica para o Banco B no País 2, o Banco A entrará em contato com seu banco correspondente no País 2 para facilitar o pagamento. Normalmente, o Banco A manteria uma conta no banco correspondente.

Para o banco correspondente, neste caso, a conta é chamada de conta Nostro, enquanto que para o Banco A - a contraparte - essa mesma conta é referida como uma conta Vostro.

De acordo com o Bank of International Settlements (BIS), as relações de correspondentes bancários globais estão em declínio ao longo dos anos. Além da natureza de encolhimento da rede, o BIS informa que está se tornando ainda mais concentrado, piorando a falta de acesso a pagamentos internacionais para corredores de remessas historicamente desprivilegiados.

O surgimento de novos métodos de pagamentos internacionais é uma das razões identificadas pelo BIS como responsável pelo declínio da rede de correspondentes bancários. Um trecho do relatório diz:

“O contínuo declínio no número de relacionamentos com bancos correspondentes em muitos países ao redor do mundo continua sendo uma fonte de preocupação. Em jurisdições afetadas, pode haver um impacto sobre a capacidade de enviar e receber pagamentos internacionais, o que pode levar as pessoas a usar "pagamentos ilegais" ou não regulados e potencialmente inseguros, com mais consequências para o crescimento, a inclusão financeira e o comércio internacional. "

Assim, embora o SWIFT possa tentar corresponder à velocidade do Ripple, o relacionamento do correspondente bancário pode significar que é apenas uma iteração mais rápida do sistema atual. Além disso, com alguns corredores que já estão tendo problemas para serem atendidos pelo sistema financeiro de liquidação atual, novos portais de pagamento podem constituir uma proposta melhor.

Para o Ripple, os bancos não precisam manter relacionamentos de correspondentes no exterior para facilitar as transferências eletrônicas. Em vez disso, as instituições financeiras adquirem o software xRapid da Ripple e usam o XRP como uma moeda-ponte para remessas instantâneas transfronteiriças.

As empresas de blockchain, no entanto, precisam se preocupar com as implicações regulatórias de seu modelo de negócios. Onde a SWIFT pode operar de uma posição confiável como um sistema de liquidação, o Ripple e os afins precisam satisfazer os reguladores em várias jurisdições.

O surgimento do projeto Libra do Facebook também traz consigo a possibilidade de um maior escrutínio regulatório para todas as coisas relacionadas a criptomoedas e blockchain. Até mesmo o CEO da Ripple tem preocupaçõe de que a empresa possa ficar presa no meio da tempestade regulatória desencadeada pelo Libra.

Totalmente blockchain ou um híbrido de sistemas DLT centralizados?

Na busca do quadro mais eficiente para pagamentos transfronteiriços, os projetos provavelmente têm que considerar a interação entre arquiteturas centralizadas e descentralizadas. No entanto, parece haver uma tendência emergente de utilizar sistemas híbridos que possuam o melhor dos dois mundos.

Em junho de 2019, o Cointelegraph reportou que a SWIFT tem planos para permitir que empresas que operam sistemas de tecnologia de contabilidade distribuída (DLT) usem sua plataforma GPI. A Visa também anunciou uma nova rede de pagamentos centralizada para transações comerciais que incorpora elementos vindos da tecnologia descentralizada.

Há também o Consórcio Fnality que planeja usar moedas de liquidação de serviços públicos para facilitar transações de pagamentos transfronteiriços ponto-a-ponto. Os principais bancos dos Estados Unidos, Europa e Ásia já fazem parte do projeto. Como a iniciativa Visa B2B Connect, a Fnality está no centro da matriz interbancária, eliminando as complexas etapas intermediárias dos pagamentos internacionais. Embora as áreas de foco pareçam ser diferentes, as filosofias operacionais apresentam algumas semelhanças surpreendentes.

À medida que os eventos se desenrolam no ambiente de pagamento em desenvolvimento, parece haver uma tendência emergente de sistemas de liquidação inovadores copiando aspectos das operações uns dos outros. Atores comuns como SWIFT e Visa estão desenvolvendo protocolos que irão interagir com sistemas DLT, enquanto a Ripple busca adquirir o status confiável do aparato financeiro estabelecido como uma porta de entrada para garantir que sua rede se torne o canal de fato para remessas globais ao longo de múltiplos corredores de pagamento.