Suspeito de fraude tailandesa Bitcoin incapaz de retornar à Tailândia devido a revogação de passaporte

O Ministério das Relações Exteriores da Tailândia revogou o passaporte de um suposto fraudador de criptos, que supostamente o impediu de retornar ao seu país de origem para ser processado, informou o jornal Bangkok Post na quarta-feira, 10 de outubro.

De acordo com o relatório, Prinya Jaravijit estava nos EUA após um esquema de investimento em criptomoeda, no qual ele e vários cúmplices alegadamente fraudaram um investidor finlandês em US $ 24 milhões.

O vice-comandante da Divisão de Combate à Criminalidade (CSD), Pol Col Chakrit Sawasdee, afirmou na quarta-feira que o Ministério das Relações Exteriores invalidou o passaporte do principal suspeito, Jaravijit.

Sawasdee teria ordenado que o suspeito se entregasse até segunda-feira, mas Jaravijit afirmou que ele não poderia retornar à Tailândia desde que seu passaporte foi revogado, tornando ilegal sua permanência nos EUA. Jaravijit estava no processo de lidar com seu retorno com a embaixada tailandesa nos EUA.

Na terça-feira, o Escritório de Combate à Lavagem de Dinheiro da Tailândia (AMLO) confiscou fundos no valor de US $ 6,4 milhões da família de Jaravijit e outras pessoas ligadas ao caso. Na semana que vem, a polícia local deve atacar a família do suspeito e seu irmão mais velho com lavagem de dinheiro. O acusado teria recebido dinheiro de Jaravijit e gasto mais tarde.

Como relatado anteriormente pela Cointelegraph, Jaravijit e seus cúmplices são acusados ​​de fraudar o milionário finlandês Aarni Otava Saarima e seu parceiro de negócios, que foram atraídos a investir seu Bitcoin (BTC) em um falso esquema de investimento envolvendo três empresas e Crypto token Dragon Coin.

Os supostos golpistas levaram suas vítimas para um cassino em Macau, onde alegaram que as fichas seriam usadas. Saarima subsequentemente transferiu seus bitcoins, mas nunca viu retornos, nem papéis de acionistas ou prova de investimento em Dragon Coin. Saarima se aproximou do CSD com uma queixa em janeiro.

O vice-comandante informou que os outros suspeitos foram todos membros da família Jaravijit, incluindo o investidor Prasit Srisuwan e o empresário Chakrit Ahmad, que supostamente chegaram a um acordo de compensação com o investidor finlandês.

O caso foi revelado pela primeira vez em agosto, quando a polícia tailandesa prendeu o ator Jiratpisit "Boom" Jaravijit, de 27 anos, que é um dos sete suspeitos envolvidos no esquema de criptomoedas de US $ 24 milhões.