Startup encontra vulnerabilidade no código do projeto Libra do Facebook

Os desenvolvedores que trabalham para a startup OpenZeppelin, uma empresa de auditoria terceirizada especializada em criptomoeda, descobriram e corrigiram uma vulnerabilidade no código de código aberto Libra do Facebook.

O problema

De acordo com um artigo do Coindesk publicado no dia 10 de setembro, a empresa de auditoria de criptografia encontrou vulnerabilidades no Move, que é uma linguagem de script desenvolvida pelo Facebook para o stablecoin Libra. O CEO do OpenZeppelin, Demian Brener, disse que a vulnerabilidade teria permitido que atores mal-intencionados introduzissem código executável a contratos inteligentes. Ele continuou:

“A boa notícia é que ela foi encontrada e corrigida antes da plataforma ser lançada. Os problemas que antes eram considerados benignos podem se tornar mais graves na configuração da blockchain, porque a auditabilidade substitui a confiança. ”

Criptomoedas, incluindo o Libra, devem estar em conformidade

Mais cedo hoje, o Cointelegraph publicou que um funcionário dos Estados Unidos disse que o libra stablecoin do Facebook deve atender aos mais altos padrões de combate à lavagem de dinheiro (AML) e financiamento ao terrorismo.

Os reguladores financeiros globais continuam compartilhando suas preocupações com o Libra, com o principal funcionário jurídico do Banco Central Europeu, Yves Mersch, descrevendo recentemente o stablecoin do Facebook como "sedutora, mas traiçoeira".

A Cointelegraph informou em 18 de agosto que uma delegação de reguladores dos Estados Unidos visitou a sede da Associação Libra na Suíça para investigar o projeto e conhecer os reguladores locais. No entanto, como o Cointelegraph relatou no final de agosto, a visita não foi capaz de amenizar todas as preocupações da delegação.

Telegram to beat Facebook to the punch

O Cointelegraph publicou que oTelegram está a caminho de lançar sua criptomoeda, a Gram até outubro. Nesse caso, o Telegram sairia na frente do tão esperado o Libra do Facebook, que está planejado para integração em seus três serviços de mensagens de propriedade exclusiva