Professor de Stanford diz que criptos vão implodir os juros baixos dos bancos

Um professor da Stanford Graduate School of Business diz que as criptomoedas acabarão com o dinheiro que os bancos desfrutam atualmente de depósitos com juros baixos.

Em uma entrevista para a universidade em 24 de outubro, o distinto professor de finanças Darrell Duffies disse que, de uma forma ou de outra, as criptomoedas provavelmente prejudicarão o modelo de negócios dos bancos na próxima década.

Grande perturbação inevitável

O professor Duffie disse que o público não deve ser enganado pelos níveis relativamente baixos ainda de adoção de criptomoedas descentralizadas como o Bitcoin (BTC); nem devem tomar a reação contra o Libra do Facebook como sinal de uma moratória em grandes iniciativas privadas.

"O futuro está chegando e será muito prejudicial para os bancos legados que não entendem o programa", disse ele.

Seja na forma de uma stablecoin apoiada pelo dólar, de um produto do Facebook ou de uma moeda digital do banco central, os benefícios do modelo de ativos digitais provavelmente significarão que os bancos perderão seu acesso a depósitos lucrativos com juros baixos em dez anos, disse ele, adicionando:

“Novas formas de pagamento desencadearão maior concorrência por depósitos. Se os consumidores tiverem formas mais rápidas de pagar suas contas e os traders puderem ter acesso mais rápido a suas receitas de vendas sem precisar de um banco, eles não vão querer manter tanto dinheiro em contas que pagam juros extremamente baixos".

Como o relatório observa, atualmente os consumidores e as empresas armazenam cerca de US$ 14 trilhões em depósitos somente nos bancos dos Estados Unidos, que pagam uma taxa de juros extremamente baixa, em média.

Atualmente, os bancos pagam menos de 0,1% de juros nas contas correntes e de poupança e apenas uma taxa ligeiramente mais alta nos certificados de depósito de um ano. Enquanto isso, o montante que os bancos recebem de empréstimos de rotina da noite para o dia aumentou de 0,3% em 2015 para mais de 2% em 2019.

Os adotantes lentos cairão no esquecimento

Essa dependência das contas de depósito para processar pagamentos pela grande maioria da população garante enormes lucros para os bancos. Além disso, os bancos cobram taxas elevadas dos fornecedores de cartão de crédito - um custo que é principalmente repassado ao consumidor.

Diferentes modelos para futuras moedas digitais do banco central também podem se desenvolver de maneiras que contornem os bancos comerciais por pelo menos parte do processo de pagamento.

E se a adoção for impulsionada pelo setor privado - como o Libra, devido aos efeitos de escala sem precedentes que ele tem - poderá ter um enorme impacto no status quo.

Ele argumentou que o sistema atual não é sustentável e que tecnologia, economia e pressão pública afastarão os bancos do controle global do sistema de pagamentos.

"Os bancos mais inteligentes estarão na vanguarda disso, mas outros estarão relutantes em canibalizar suas franquias muito lucrativas", disse ele. Para os bancos que estão vacilando, ele adverte:

"O futuro está chegando e ele não será bom."