Coréia do Sul cria força-tarefa para prevenção de crimes relacionados às criptomoedas

O Gabinete do Procurador Supremo da Coréia do Sul (SPO) anunciou o estabelecimento de uma força-tarefa para combater fraudes e crimes relacionados às criptomoedas. O desenvolvimento foi divulgado pelo Sistema de Radiodifusão da Coréia (KBS), uma das maiores emissoras públicas nacionais, em artigo publicado na terça-feira, 5 de março.

A nova força-tarefa será responsável pela investigação - sob a supervisão do SPO - de fraudes, lavagem de dinheiro, crimes e outras atividades ilegais envolvendo fintechs e criptomoedas.

A decisão de criar uma força-tarefa especial é uma resposta ao número crescente de casos de fraude e crimes relacionados à indústria de criptomoedas, relata a KBS. De acordo com o Serviço de Supervisão Financeira do país, o número de casos reportados de fraude e reclamações legais relacionados a investimentos em criptomoedas aumentou quase nove vezes, de 53 em 2016, para 453 no ano seguinte.

O número de crimes similares em 2018 registrados pelo SPO aumentou para 4.591 casos, segundo informou o portal de notícias Money Today em 05 de março.

Como informado pelo Cointelegraph em 28 de fevereiro, a polícia japanesa recebeu mais de 7.000 relatos de suspeita de lavagem de dinheiro relacionados às criptomoedas em 2018, o que representa um aumento de dez vezes em relação ao ano anterior.

No início do mês passado, a Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido informou que os golpes em investimentos, incluindo criptos, totalizaram 4.996 casos e os prejuízos chegaram aos US$ 255 milhões em 2018, como divulgado pelo Cointelegraph em 6 de fevereiro.