Pesquisadores explicam como a Blockchain pode inovar nos mercados de energia verde

Pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica e Social (ESRI) da Irlanda propuseram que o uso de um "sistema de negociação direta", baseado em blockchain, pode fornecer um incentivo mais eficaz para o gerenciamento inteligente do consumo de energia renovável.

Em um artigo publicado em 20 de dezembro, Mel T. Devine, Marianna Russo e Paul Cuffe, propuseram um novo mecanismo para vender a geração de eletricidade renovável e simbolizar a interação entre fornecedores e consumidores dessa energia.

Automatizando o comércio e gerenciamento de energia renovável

O comércio futuro baseado em blockchain, descreve o artigo, implica em uma estrutura transativa, na qual um fornecedor de energia renovável - por exemplo, uma fazenda eólica ou solar - vende diretamente aos consumidores "uma reivindicação sobre sua produção futura de energia na forma de tokens blockchain":

“O comércio sobre a produção futura de eletricidade pode ser negociada diretamente entre geradores e consumidores por meio da blockchain em um mercado ciber-físico[...] contratos de energia para entrega futura são negociados na blockchain. Essas reivindicações sobre a geração futura podem ser incorporadas como tokens, com a entrega futura de energia elétrica como o ativo subjacente.”

Seu benefício é que ele pode lidar com a natureza cada vez mais complexa das interações que estão evoluindo na rede de distribuição de energia. Além disso, o mecanismo inclui o uso de contratos inteligentes para automatizar o controle, o comércio e o gerenciamento de energia em uma estrutura distribuída:

"Usando a flexibilidade do código de contrato inteligente, que é executado irrevogavelmente em uma blockchain, os níveis de geração realizados compensarão o consumo de eletricidade dos detentores de tokens quase em tempo real".

Blockchain para um futuro verde

Paralelamente à abordagem orientada ao consumidor adotada pelos pesquisadores da ESRI, as concessionárias de energia têm adotado cada vez mais abordagens baseadas em blockchain para monetizar seus investimentos em energia renovável.

Em dezembro de 2019, a segunda maior concessionária de energia elétrica do Japão, a Kansai Electric Power Co. (KEPCO), estendeu seu teste de uma plataforma de comércio de energia renovável, habilitada para blockchain, desenvolvida pela empresa de tecnologia australiana Power Ledger.

A KEPCO testará a plataforma blockchain para suas transações de certificados de valor de combustíveis não fósseis (NFVs), que fornecem aos varejistas de energia a prova de que a parte da energia sob o certificado é gerada a partir de fontes de energia renováveis.

Esses NFVs podem ser usados ​​pelos clientes da KEPCO para compensar reivindicações por iniciativas de divulgação de carbono - algo que está se tornando cada vez mais relevante à medida que os esforços internacionais ganham impulso para estabelecer novas estruturas que suportam fontes de energia verde de baixo custo.

Em junho de 2019, o maior fornecedor de energia da Coréia do Sul, a Korea Electric Power Corporation, assinou um contrato com dois fornecedores domésticos de energia para estabelecer um sistema blockchain para transações de certificados de energia renovável.