Dois irmãos israelenses são presos pelo hack da exchange Bitfinex

Dois irmãos israelenses foram presos por conexão com o hack da exchange Bitfinex e outros ataques relacionados a phishing, segundo a agência de notícias financeiras Finance Magnates publicou em 23 de junho.

Um porta-voz da polícia israelense disse ao Finance Magnates que Eli Gigi e seu irmão mais novo Assaf Gigi movimentaram dezenas de milhões de Dólares. Os dois são suspeitos de ser responsáveis por roubos sistemáticos criptomoedas durante muito tempo, obtendo acesso malicioso a contas de outros usuários.

Os dois supostamente criaram clones para roubar credenciais das principais exchanges e carteiras de criptomoedas online e enviaram links para sites de phishing em grupos do Telegram e outras comunidades relacionadas a criptomoeda. Os dois também são acusados de serem responsáveis pelo hack da Bitfinex em 2016, quando várias contas foram comprometidas.

Como o Cointelegraph noticiou no começo de junho, os fundos roubados no ataque mencionado foram movimentados.

A polícia observou que as supostas vítimas estavam baseadas principalmente na União Européia e nos Estados Unidos, o que levou a investigação por várias agências policiais em diversos países.

Durante o ataque, a polícia encontrou uma carteira de criptomoedas contendo muito menos fundos do que a quantidade que os dois teriam roubado. A Finance Magnates também observa que Eli Gigi é formado em uma unidade tecnológica de elite das Forças de Defesa de Israel, que seleciona jovens com excelentes capacidades acadêmicas.

Como o Cointelegraph noticou nesta semana, uma falha de segurança de dia zero do Firefox foi usado contra a importante exchange e serviço de carteiras Coinbase. A falha foi supostamente mesclada com outra falha de dia zero direcionada aos funcionários da Coinbase, o que significa que houve dois ataques separados.

Enquanto a Coinbase foi afetada, o pesquisador de segurança da exchange Philip Martin afirmou que a Coinbase não era a única empresa relacionada a criptos envolvida no ataque e que não havia evidência de que ele visava clientes de exchanges.