Reportagem diz que NSA está trabalhando numa criptomoeda resistente à computação quântica

A Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) está trabalhando para desenvolver uma criptomoeda resistente à comoutação quântica. 

A afirmação foi feita em um “tuíte” do repórter da Bloomberg Technology William Turton em 4 de setembro, enquanto ele participava da 10ª cúpula anual do Billington CyberSecurity em Washington DC.

NSA: Coreia do Norte é “criativa” no uso de criptomoeda

O “tuíte” de Turton dá apenas uma dica lacônica dos aparentes planos da agência, com referência ao projeto de criptomoeda resistente a quântica confinado a um aparte. Ele escreveu:

“Anne Neuberger, diretora da nova Diretoria de Segurança Cibernética da NSA, diz que a agência vai propor novamente que haja padrões de hardware e software. Ela também observa que a agência está trabalhando para criar uma cripto resistente à computação quântica.”

Mais detalhes da apresentação de Neuberger foram apresentados na cobertura da Microsoft News, em um relatório focado na batalha da agência com ameaças de ransomware, apresentadas por uma série de adversários geopolíticos - incluindo Coreia do Norte, Irã, Rússia e China.

Neuberger observou que a NSA identificou 4.000 ataques de ransomware diariamente, observando que essa prevalência era uma "grande preocupação" para as eleições presidenciais dos EUA em 2020.

Ela disse que a recém-criada Diretoria de Cibersegurança da agência, que deve começar a funcionar em outubro, se concentrará em mitigar a ameaça de operações de influência da Rússia, bem como em roubos de propriedade intelectual e ataques de ciberespionagem da China.

Neuberger destacou a Coreia do Norte como sendo criativa em sua estratégia de guerra cibernética, apontando para o uso de criptomoedas pelo estado desonesto para arrecadar fundos para o regime do presidente Kim Jong-Un.

Criptomoeda na guerra nas sombras

As criptomoedas tornaram-se parte integrante da guerra cibernética furtiva e das operações de inteligência global, aumentando a perspectiva de que qualquer agência estatal que vença a corrida armamentista no desenvolvimento de uma criptomoeda resistente a quântica possa garantir uma vantagem geopolítica apreciável para seu país.

Em julho de 2018, o Departamento de Justiça (DoJ) acusou doze indivíduos de duas unidades da Diretoria Principal de Inteligência (GRU) da Rússia de usarem criptomoedas para estimular esforços para invadir redes de computadores associadas ao Partido Democrata, a campanha presidencial de Hillary Clinton e eleições nos EUA, conselhos estaduais e empresas de tecnologia.

Em outubro, o Departamento de Justiça acusou sete oficiais da GRU de serem hackers globais financiados por cripto e operações de desinformação relacionadas.

No início deste mês, um relatório confidencial vazado das Nações Unidas revelou que o comitê de sanções da Coreia do Norte do Conselho de Segurança das Nações Unidas acredita que os hackers norte-coreanos arrecadaram cerca de US$ 2 bilhões em bancos de hackers e exchanges de criptomoedas.

O comitê alega que os hackers são uma parte essencial do financiamento do regime e supostamente levantam fundos para seus programas de armas de destruição em massa (WMD), entre outras atividades.

O grupo de hackers norte-coreano, o Lazarus Group, alcançou particular notoriedade por suas atividades malignas, que afetaram países em todo o mundo.