Apresentador de rádio da Nova Zelândia nega venda de Bitcoin nas mídias sociais

A personalidade do rádio da Nova Zelândia Duncan Garner, que hospeda o AM Show no MagicTalkRadio, negou promover o Bitcoin (BTC) no Facebook.

Eu não faço nada afavor daquela "moeda"

O jornal local NewsHub forneceu um vídeo de Garner negando seu envolvimento nas promoções do Facebook em 26 de agosto. Após uma entrevista sobre uma recente violação de privacidade no governo da Nova Zelândia, Garner disse:

"Não sou eu no Facebook que estou investindo em Bitcoin [...] eu não uso Bitcoin, não uso nada dessa 'moeda', não estou no Facebook há alguns anos. Não sou eu. Mas as pessoas dizem: 'Ei, você está pressionando o Bitcoin. Como tá indo?'"

Representação no mundo cripto

A representação para vendas e promoção de criptomoedas não é desconhecida no mundo cripto. Em agosto, um fabricante de hardware de mineração de criptomoedas - Bitmain - acusou um produto cripto chamado "Bitmain Cloud Miner" de roubar seu nome para fins promocionais.

De acordo com a Bitmain, as entidades por trás do Bitmain Cloud Miner fingiram ser Bitmain para promover seus próprios produtos, incluindo o minerador e um token chamado Mangocoin (MNG). Bitmain escreveu:

“Gostaríamos de lembrar aos nossos clientes atuais e potenciais que identifiquem corretamente o provedor de serviços ao comprar produtos, se inscrevam ou comprem qualquer coisa on-line somente após deliberação cuidadosa e fiquem atentos a promoções enganosas, angariação de fundos ilegais, fraude e outras atividades maliciosas na internet."

A Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido (FCA) também teve problemas com a representação, com criminosos parecendo personificar descaradamente o regulador, a fim de promover ativos de criptografia. Os prováveis fraudadores enviaram e-mails fraudulentos alegando pertencer à FCA, intitulados "oportunidade garantida de ganhar", incluindo o logotipo e a marca do regulador do Reino Unido. A FCA negou ter qualquer conexão com esta campanha por e-mail e disse que a campanha "provavelmente está vinculada à fraude organizada".