Juiz de Nova York critica reclamações do Procurador Geral contra Bitfinex e Tether

O Procurador Geral de Nova York não pode impor a força total de sua decisão judicial contra exchange de criptomoedas Bitfinex e a stablecoin Tether (USDT), informou a CoinDesk, agência de notícias de cripto, citando um juiz em 6 de maio.

Após a apresentação de um rejeição de advogados representando os corréus, o juiz da Suprema Corte de Nova York Joel M. Cohen decidiu que as partes deveriam tentar resolver sua disputa e apresentar um argumento refinado.

O Procurador Geral havia acusado a Bitfinex de perder o controle de US$ 850 milhões em circunstâncias suspeitas, posteriormente usando as reservas da empresa-irmã Tether para preencher temporariamente a lacuna.

“O que sugiro que vocês dois façam é sentar e conversar sobre isso. Vocês parecem ser um grupo razoável. Em, digamos. uma semana, com uma revisão única ou proposta que realize o que estamos tentando alcançar aqui. Caso não seja possível, façam-no propostas individuais”, disse Cohen na segunda-feira.

Ambas as empresas negam qualquer irregularidade, e criticaram fortemente as autoridades de Nova York nesta semana pela forma como a queixa foi levantada.

Como relatou o Cointelegraph, quando a notícia foi divulgada na semana de 24 de abril, os mercados de criptomoedas sofreram um flash crash antes de se recuperarem rapidamente.

Cohen também discordou do tratamento das acusações por parte do Procurador Geral.

"A liminar preliminar que temos agora é vaga, aberta e não suficientemente adaptada exatamente ao que a PG mostrou causar um dano iminente", disse ele. Cohen acrescentou:

"Eu acho que elas são amorfas e intermináveis."

Os Estados Unidos, por sua vez, também acusaram dois figurões supostamente associados à Crypto Capital Corp., com sede no Panamá de crimes incluindo fraude bancária e de agirem como transmissores de dinheiro não licenciado. Esta entidade recebeu US$ 850 milhões da Bitfinex.