Dinheiro ou Ativo? Como os governos mundiais definem as criptomoedas

Criptomoedas — o que elas são? Dinheiro? Commodities? Títulos? Tokens de utilidade? Ou alguma outra coisa? Poucos governos nacionais parecem estar em algum tipo de acordo sobre essa questão e, pelo menos por ora, suas divisões deram a moedas como Bitcoin e Ethereum um status flutuante e indeterminado no cenário global.

Como resultado, as criptomoedas carecem de uma existência única e definitiva, com algumas nações tratando-as como dinheiro (por exemplo, Japão, Alemanha) e outras tratando-as como um ativo especulativo não regulamentado (por exemplo, México, Dinamarca), tornando-as o equivalente financeiro de Gato de Schrodinger. No entanto, como esta revisão das classificações de criptografia em todo o mundo irá mostrar, cryptocurrencies são todas essas coisas e mais, razão pela qual eles merecem ser classificados por legislação futura de acordo com suas próprias qualidades únicas.

Estados Unidos: títulos, commodities, propriedade, dinheiro

Como uma indicação de quão difícil pode ser para que os governos mundiais cheguem a um consenso global sobre o status das criptomoedas, vale a pena ressaltar que atualmente há pouco consenso entre as nações — muito menos entre elas. Isso não é mais evidente do que nos Estados Unidos, onde cinco agências separadas tiveram suas próprias classificações concorrentes de criptomoedas.

A primeira é a Comissão de Vaores Mobiliários (SEC), que — até junho — definia criptomoedas em geral como títulos, significando ativos nos quais alguém investe na expectativa de receber um retorno. Em março, por exemplo, emitiu uma declaração pública indicando que regulamentaria qualquer coisa que estivesse sendo negociada por meio de uma plataforma de troca como garantia.

"Várias dessas plataformas fornecem um mecanismo para negociar ativos que atendem à definição de 'título' sob as leis federais de valores mobiliários. Se uma plataforma oferece a negociação de ativos digitais que são títulos e opera como uma 'casa de câmbio', conforme definido pelo leis federais de valores mobiliários, então a plataforma deve se registrar na SEC como uma bolsa de valores nacional ou ser isenta de registro."

O Bitcoin caiu 10% após este anúncio, mas as declarações de outras autoridades e agências americanas diferem da afirmação da SEC de que as criptomoedas são títulos. Porque, também em março, um juiz federal de Nova Iorque decidiu que a Comissão de Negociação de Futuros de Commodities (CFTC) pode regular o BTC e outras moedas como commodities, colocando-as no mesmo nível do ouro, do petróleo e do café.

Se isso já não fosse suficientemente confuso, o Internal Revenue Service (IRSdefiniu criptomoedas como propriedade tributável desde março de 2014, quando declarou:

"Para fins de impostos federais, a moeda virtual é tratada como propriedade".

Os observadores seriam perdoados por supor que três definições separadas eram suficientes, mas duas agências adicionais tratam as criptomoedas como dinheiro. O Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros dos EUA (OFAC) é o escritório do Departamento do Tesouro dos EUA responsável pela aplicação de sanções econômicas, que podem incluir sanções contra certas criptomoedas (por exemplo, o Petro). Em abril, anunciou que estaria tratando "moedas virtuais" da mesma forma que moeda fiduciária, fazendo com que qualquer indivíduo que lidasse com uma criptomoeda coberta por uma sanção econômica fosse processado.

Da mesma forma, a Rede de Execução de Crimes Financeiros (FinCEN) preside o uso ilegal de dinheiro, incluindo lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo. Ele atualizou seus regulamentos em março de 2013 para cobrir todas as "pessoas criando, obtendo, distribuindo, trocando, aceitando ou transmitindo moedas virtuais", que exigiam trocas (classificadas como "transmissores de dinheiro") para implementar o Conheça Seu Cliente (KYC) e Medidas antilavagem de dinheiro (AMC). Ao expandir seus regulamentos, ele trouxe criptomoedas sob o conceito de dinheiro, em contraste com as outras agências governamentais que o classificaram como uma mercadoria, segurança ou propriedade.

É claro que tais classificações não são mutuamente exclusivas, mas introduzem confusão e complexidade para indivíduos e empresas que desejam compreender exatamente onde estão legalmente com criptomoedas. Felizmente, há sinais crescentes de que algumas das agências acima estão começando a convergir para definições compartilhadas.

Em junho, a SEC finalmente esclareceu que não considera o Bitcoin ou o Ethereum — como são as duas maiores moedas em valor de mercado — como títulos e que, em vez disso, focará nas Ofertas Iniciais de Moedas (ICOs). Essa mudança ocorreu um mês depois que o comissário da CFTC, Rostin Behnam, fez um discurso que enfatizou a crescente colaboração entre sua comissão e a SEC.

"Falei da minha posição sobre a CFTC e os esforços da SEC para harmonizar as regras. Dado o grande número de participantes do mercado duplamente registrados e políticas sobrepostas, há uma oportunidade real para a CFTC e a SEC harmonizarem regras redundantes e deixarem os participantes do mercado e reguladores em uma posição mais forte".

Tais medidas são modestas e preliminares, mas dado que a SEC não considera mais as moedas como Bitcoin e Ethereum como títulos, elas pelo menos diminuem o campo das criptomoedas nos Estados Unidos. Dito isso, eles ainda não têm curso legal, embora isso não tenha impedido milhares de empresas norte-americanas de aceitar o Bitcoin e outras moedas como meio de pagamento.

Canadá, México and América do Sul: commodities, ativos virtuais, curso legal

Assim como os EUA, o Canadá não considera as criptomoedas como moeda legal. No entanto, sua abordagem para as moedas virtuais é um pouco mais unificada, com a Agência Canadense de Receitas (CRA) definindo-as atualmente como commodities — uma definição que parece se aplicar em geral na maioria das agências governamentais. É por isso que as compras envolvendo cripto são reguladas pela CRA como se fossem transações de permuta, com a aplicação da tributação relevante. Dito isso, um ato parlamentar aprovado em junho de 2014 também definiu criptomoedas como "empresas de serviços financeiros" para fins de atualização de leis contra a lavagem de dinheiro, enquanto a Canadian Securities Administrators (CSA) anunciou em agosto de 2017 que "muitas" ICOs envolvem vendas de valores mobiliários. "

No México, a ênfase também está nas criptomoedas como commodities. Em 1º de março, o governo aprovou a Lei de Regulamentação de Empresas de Tecnologia Financeira, que inclui uma seção sobre "ativos virtuais" — também conhecida como criptomoedas. Em comparação com as definições anteriores de valores mobiliários, commodities, propriedades e dinheiro, este é um termo reconhecidamente vago, e as disposições da lei de março atualmente não restringem sua aplicação (uma vez que a lei está, de fato, aguardando legislação secundária). No entanto, observações anteriores dos principais líderes mexicanos indicam que o governo estaria inclinado a traduzi-lo para “commodity”, com o governador do Banco de México Agustín Carstens afirmando em agosto de 2017 que, como o Bitcoin não é regulado por um banco central, é um mercadoria em vez de uma moeda.

Viajando mais ao sul, a imagem é mista. Na Venezuela, o governo notoriamente anunciou o Petro, que é apoiada pelo petróleo, em dezembro, e em abril, decretou que a criptomoeda deve se tornar moeda legal para todas as transações financeiras envolvendo ministérios do governo. No entanto, enquanto todas as outras criptomoedas foram imediatamente classificadas como ativos financeiros e como títulos, como resultado do decreto que estabelece o Petro, nenhum foi declarado moeda legal. Ainda mais confusamente, o parlamento venezuelano se opôs ao Petro em todas as oportunidades. Em março, chegou a declarar que a moeda apoiada pelo Estado é ilegal, porque foi criada sem aprovação do Congresso e sem o envolvimento do Banco Central da Venezuela.

Embora as classificações de um tipo ou de outro geralmente se apliquem às nações americanas acima, as criptomoedas sofrem de uma não existência parcial em outras. No Brasil, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) declarou em janeiro que as criptomoedas não podem legalmente ser classificadas como ativos financeiros, apesar do fato de a Receita Federal ter estipulado anteriormente em 2017 que elas devem ser consideradas como tais para fins tributários. No Chile, as criptomoedas não são nem títulos nem dinheiro, embora o banco central tenha recentemente começado a considerar uma regulamentação específica.

E na Colômbia, o Superintendente Financeiro também declarou que as moedas digitais não contam como dinheiro ou títulos, enquanto, para fins fiscais, pode ser considerado um "investimento de alto risco". Isso o torna um pouco mais tolerante do que o Equador, onde criptomoedas não são apenas sem curso legal, mas também são proibidas como meio de pagamento.

Embora a América do Sul frequentemente adote uma postura restritiva em relação às criptomoedas, algumas nações do continente aceitam um pouco mais. Na Argentina, as criptomoedas não são legais e não têm nenhum regulamento especificamente aplicado a elas. Dito isto, eles são tratados como bens sob os termos do Código Civil da nação, enquanto uma atualização de dezembro para a regulamentação tributária os classifica como renda derivada de ações e valores mobiliários.

O que tais variações indicam é que, quando se trata da classificação de criptomoedas, a situação econômica e política das nações envolvidas faz a diferença. A abstração inerente das criptomoedas torna-as adaptáveis em termos de sua função, de modo que sua classificação e uso particulares dependem das condições políticas e econômicas prevalecentes em uma nação em particular, e para o que essa nação as quer usar. É por isso que, em países onde a moeda nacional e a economia são relativamente fracas — ou onde as liberdades são restritas — as criptomoedas tendem a ter status legal negado.

Europa: dinheiro particular, unidades de conta, meios contratuais de câmbio, valor transferível

Essa tendência se torna mais aparente quando o status das criptomoedas na América Latina é comparado com seu status na Europa. Na Alemanha, a maior economia do continente, o Bitcoin é reconhecido como "dinheiro privado" desde abril de 2014. Antes disso, o Ministério das Finanças também reconheceu a criptomoeda como uma "unidade de conta" em agosto de 2013, tornando-se um instrumento financeiro sujeito a tributação e exigir que as empresas que o comercializem se registrem na Autoridade Federal de Supervisão Financeira. Em fevereiro deste ano, o governo deu um passo adiante ao reconhecer criptomoedas como dinheiro real, isentando os detentores de cripto do imposto quando eles usam suas moedas como meio de pagamento — como foi determinado pelo Tribunal de Justiça Europeu em 2015.

No Reino Unido, as criptomoedas foram geralmente deixadas sem serem perturbadas pela regulamentação, e o que é interessante notar é que o governo reconheceu que compará-las com moedas, mercadorias, valores mobiliários ou qualquer outro instrumento financeiro pré-existentes seria impreciso. Em 2014, o departamento de Receitas e Alfândegas da HM escreveu:

"Criptomoedas têm uma identidade única e, portanto, não podem ser diretamente comparadas a qualquer outra forma de atividade de investimento ou mecanismo de pagamento."

Isso explicaria por que o governo ainda não propôs ou estipulou um status definitivo para a cripto, mesmo que o Reino Unido faça parte do grupo G20 de países que definiram criptomoedas como ativos em vez de moedas em um documento de março, e mesmo se o investimento cripto for sujeito a imposto sobre ganho de capital na Grã-Bretanha — tornando-se um investimento.

Cruzando o Canal da Mancha, a França também suspendeu a aplicação de qualquer regulamentação específica a criptomoedas, embora tenha feito esforços conjuntos com a Alemanha para propor leis que seriam de âmbito internacional. Ainda assim, embora pareça estar caminhando para a criação de um f marco regulatório favorável, o Banque de France que — desde 2013 — manteve a posição de que as criptomoedas não são nem divisas nem um meio de pagamento. Por outro lado, a AMF ("Financial Markets Regulator") realizou uma consulta pública no final de 2017 que resultou na definição de duas categorias de criptomoedas: tokens de utilidade e tokens de títulos. Somado a isso, os operadores de cripto — privados e comerciais — estão sujeitos à tributação sobre seus ganhos, com o governo definindo o Bitcoin em 2016 como uma "unidade de conta" para fins de cobrança desse imposto.

Em outros lugares da UE, o quadro varia consideravelmente, embora pareça haver um acordo recorrente de que as criptomoedas não são dinheiro — exceto quando as autoridades querem colocá-las dentro do escopo da legislação de AML. Na Suécia, o banco central afirmou em março que "os [Bitcoins] não são dinheiro". Isso contradiz uma decisão preliminar de outubro de 2013 do Swedish Tax Board que declarou que o Bitcoin não está sujeito ao imposto sobre vendas quando negociado, está sob a jurisdição dos regulamentos da Autoridade de Supervisão Financeira e deve ser considerado como uma moeda.

Na Dinamarca, a Autoridade de Supervisão Financeira emitiu uma declaração em dezembro de 2013 afirmando que o Bitcoin (e outras moedas) não eram moedas, enquanto em março de 2014 o banco central dinamarquês emitiu sua própria declaração declarando a mesma coisa. Quanto ao que eles são, o Conselho Fiscal dinamarquês finalmente decidiu, no início de 2018, que os lucros da cripto são tributáveis, o que implica que as criptomoedas são consideradas bens (especulativos).

Nos Países Baixos, o banco central também nega o status da moeda da Bitcoin e outras criptomoedas, tendo escrito em um documento de posição de janeiro:

"Nós não consideramos criptos como dinheiro."

Em contraste, um tribunal holandês decidiu em março que o Bitcoin pode ser considerado um "valor transferível", tornando-o equivalente a propriedade. Isto tem alguma semelhança com uma definição que está sendo trabalhada pelo Ministério da Economia e Finanças italiano em um projeto de decreto, que descreve criptomoedas como uma "representação digital de valor [...] usada como uma ferramenta de troca para compra de bens ou serviços". Esta classificação não estabelece as criptomoedas como moeda ou propriedade, mas tem paralelos em alguns outros estados da UE. Por exemplo, na Letônia, o Serviço de Receitas do Estado e o Banco da Letônia afirmaram que as criptomoedas representam um meio de pagamento “contratual” — um status que está aquém do dinheiro, mas suficientemente próximo em termos funcionais.

Além da UE, a Suíça é talvez a nação européia mais importante quando se trata de cripto, até porque se posicionou agressivamente como um lugar desejável para os comerciantes e empresas cripto. Em 2014, o governo federal publicou um relatório no qual as criptomoedas eram definidas como ativos, e não como moeda ou meio de pagamento. Mas desde então, a nação sem litoral introduziu várias "simplificações regulatórias" para atrair empresas de tecnologia financeira, e é nesse clima que novas abordagens para criptomoedas surgiram. Em novembro de 2017, o distrito regional de Zug começou a aceitar Ethereum e Bitcoin como pagamento de custos administrativos e serviços municipais, reconhecendo efetivamente ambos como dinheiro. Logo foi seguido pela cidade de Chiasso (em Ticino), que anunciou em fevereiro que começaria a aceitar o Bitcoin como pagamento de impostos em valores de até 250 francos suíços.

Tais exemplos da Europa oferecem dois grandes tópicos. A primeira é que as nações da UE (e não-UE) — bem como os EUA e o Canadá — estão retendo regulamentação específica focada em cripto, dando às criptomoedas o espaço e o tempo para se solidificarem em formas definidas e estáveis. Como tal, as nações relutam em atribuir qualquer 'definição' ou 'status' único a moedas digitais. Correspondentemente, a aplicação atual de numerosas categorizações diferentes é meramente o resultado de tentativas de aplicar quaisquer leis pré-existentes relevantes que, em lugar de legislação específica, possam refrear abusos de cripto. Essas categorizações são interrupções e geralmente não devem ser tomadas para o que certas nações ou governos "realmente pensam" sobre cripto.

Mas, em segundo lugar, embora muitos países europeus estejam se preparando para o anúncio de uma legislação de criptomoedas sob medida, parece improvável que muitos avancem ao ponto de realmente reconhecer Bitcoin, Ethereum ou qualquer outra moeda importante como moeda legal. Com as notáveis exceções da Suíça e da Alemanha, a maioria dos países europeus nega que as criptomoedas sejam dinheiro e, dada a inveja que governos e bancos centrais tendem a guardar seus poderes financeiros, é improvável que mudem dessa postura tão cedo.

China Ásia oriental

O ciúme é particularmente agudo na China. Em dezembro de 2013, o governo chinês emitiu um aviso proclamando que o Bitcoin não é uma moeda.

"Em termos de natureza, o Bitcoin é uma commodity virtual específica que não tem o status legal equivalente a moeda e não pode e não deve ser usada como moeda no mercado."

No entanto, o mesmo aviso também reconheceu que "as transações [de Bitcoin] agem como uma forma de comprar e vender mercadorias na internet", e dado que não fez nenhuma tentativa de proibir ou desencorajar tal atividade, é discutível que o anúncio agiu como um tácito. reconhecimento de criptomoedas como meio de pagamento (ou seja, como dinheiro).

Infelizmente, a posição do governo chinês endureceu consideravelmente desde 2013. Ele proibiu as ICOs em setembro de 2017, ao mesmo tempo em que também proibiu as casas de câmbio cripto naquele mesmo mês e depois bloqueou as casas de câmbio estrangeiras, citando "riscos financeiros" como motivação para ambos os atos. Em outras palavras, ele efetivamente negou que as criptomoedas são títulos, ativos ou commodities legítimos na China, da mesma forma que negou o status de moeda quatro anos antes. E dado que também vem tomando medidas para tornar a mineração mais difícil este ano, o atual clima político e regulatório na China está agora negando a criptomoeda qualquer tipo de status oficial.

As coisas não são tão sombrias para a cripto em outros lugares da Ásia. No Japão, o governo passou por um processo oposto ao da China, classificando o Bitcoin como "não moeda" em 2014 e corrigindo sua posição em março de 2016, quando o Payment Services Act finalmente reconheceu as criptomoedas como dinheiro. No entanto, como uma indicação da singularidade da cripto, a definição real incluída no ato descreveu a criptomoeda mais especificamente como um "valor da propriedade" que pode ser usado para comprar bens e serviços, em vez de uma moeda.

Na Coreia do Sul, as criptomoedas são reconhecidas como um "ativo com valor mensurável", um verdito fornecido pela suprema corte do país em 30 de maio. É consistente com a regulamentação e as diretrizes emitidas pelas autoridades sul-coreanas até o momento. Estes incluem uma atualização de junho para as leis de AML que exigem que casas de câmbio cripto realizem medidas de Due Diligence (CDD) e Enhanced CDD (EDD), algo que cumpre a promessa do governo de fevereiro de ajudar a promover o comércio "normal" de criptomoedas como ativos.

Em Cingapura, o governo também está inclinado a ver as criptomoedas como ativos, e não como dinheiro. Em agosto de 2017, a Autoridade Monetária de Cingapura (MAS) avisou ICOs e casas de câmbio cripto que têm jurisdição sobre as tokens que se enquadrassem na definição de valores mobiliários, um aviso que se repetiu em setembro e também em maio a oito casas de câmbio que ainda não haviam se registrado. Essa também é, em grande parte, a abordagem adotada em Hong Kong, onde a Comissão de Títulos e Futuros (SFC) esclareceu em fevereiro que considera as criptomoedas como títulos, exigindo que as ICO e as bolsas se candidatem ao licenciamento. A empresa suspendeu certas ICOs como resultado das leis de valores mobiliários existentes, enquanto continuava a lembrar ao público que as criptomoedas não são legais.

Identidade única

Novamente, o que tais posturas sublinham é que as nações mais desenvolvidas estão cautelosamente abertas a criptomoedas como um novo instrumento financeiro, como um novo meio de gerar renda e levantar capital e como base de uma nova tecnologia — ou seja, blockchain. No entanto, é claro que poucos atualmente querem reconhecer o Bitcoin ou qualquer outra moeda descentralizada como dinheiro, especialmente se seus governos forem mais autoritários. Essa relutância é particularmente evidente em alguns exemplos que saltamos: na Rússia, as criptomoedas não são "um método legal de pagamento", mas sim propriedade, enquanto o governo na Turquia declarou anteriormente que o Bitcoin "não é considerado dinheiro eletrônico" de acordo com a lei atual e não é compatível com o Islã.

Como a maioria dos governos ainda não tem certeza de como as criptomoedas vão se desenvolver no futuro, e possivelmente porque eles não querem reconhecer as implicações radicais do dinheiro descentralizado, eles se esquivaram de estabelecer uma identidade legal distinta para as criptos. Em vez disso, muitos tentaram aplicar quaisquer leis pré-existentes relevantes que possam, na esperança de que isso refreie os efeitos de criptomoedas que podem ser indesejáveis do ponto de vista de um governo nacional. É por isso que, em nível internacional, as criptomoedas têm sido inundadas por uma enxurrada de diversas categorias, desde dinheiro privado a propriedade e "valor transferível".

Por outro lado, a variação nas classificações também é um produto da versatilidade das criptomoedas. Como geralmente não são emitidos e controlados por um órgão central, existem poucas restrições sobre como eles podem ser usados. Alguns detentores podem, portanto, usá-los como meio de pagamento, outros podem tratá-los como um instrumento financeiro especulativo ou como propriedade, enquanto o futuro poderia trazer ainda mais funções. Essa adequação às necessidades dos detentores é uma das características definidoras da cripto, e é por isso que o governo do Reino Unido provavelmente estava certo ao dizer em 2014 que as criptomoedas têm uma "identidade única". E também é por isso que, quando os governos do mundo finalmente começarem a introduzir legislação específica para criptomoedas, seria aconselhável que eles não tentassem abarcá-los inteiramente sob as categorias legais existentes.