Komodo hackeia a si mesma e economiza US$ 13 milhões após descoberta de vulnerabilidade de segurança

A fornecedora da carteira cripto Komodo efetivamente hackeou a si mesma para evitar que fraudadores acessassem os fundos de seus usuários, confirmou a empresa em um post no blog em 5 de junho.

Pesquisadores de segurança alertaram a empresa para uma vulnerabilidade em sua carteira Agama. Percebendo que os hackers poderiam atacar a qualquer momento, a equipe de segurança cibernética da Komodo decidiu usar o mesmo exploit para mover a cripto comprometida para a segurança.

Explicando aos usuários o que aconteceu, a Komodo disse:

"Conseguimos varrer cerca de 8 milhões de KMD e 96 BTC dessas carteiras vulneráveis, que de outra forma teriam sido presas fáceis para o atacante".

As ações da Komodo significam que, às taxas atuais do mercado, fundos no valor de US$ 13 milhões foram protegidos com sucesso de um hack.

A cripto agora está sendo mantida em duas carteiras seguras e os proprietários agora estão sendo convidados a recuperar seus ativos se suas contas tiverem sido varridas. A exchange está solicitando a aqueles que ainda podem ter cripto em uma carteira Agama que transfiram todos os seus fundos para um novo endereço o mais rápido possível.

Mais detalhes sobre a vulnerabilidade serão publicados assim que a Komodo garantir que todos os fundos estejam garantidos.

Os hacks são uma ameaça contínua no mundo da cripto. No final de maio, foi noticiado que a agora extinta exchange de Nova Zelândia Cryptopia deve US$ 4,22 milhões aos credores após ser atacada em meados de janeiro.

Semanas antes, os hackers usaram phishing e vírus para retirar 7.000 Bitcoins (BTC) de carteiras quentes Binance comprometidas em um ataque premeditado que não foi detectado pelos sistemas de segurança da exchange.